acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Acordo

Peregrino: Statoil Brasil e Wood Group assinam contrato de operação, manutenção e modificação

25/09/2015 | 13h23
Peregrino: Statoil Brasil e Wood Group assinam contrato de operação, manutenção e modificação
Divulgação Statoil Divulgação Statoil

 

A Wood Group será a fornecedora de serviços de operação e manutenção das duas plataformas fixas (do tipo well head platforms) denominadas Alfa e Bravo e de serviços de modificação para ambas as unidades e também para o FPSO Peregrino.
O escopo do contrato inclui serviços offshore e processos de produção e equipamentos, exceto serviços de perfuração, e introduz um novo modelo de operação para o campo, já que pela primeira vez a companhia está agrupando todos esses serviços em um único contrato, a fim de estimular integração e simplificar a gestão do contrato.
“Nós optamos por agrupar esses contratos em linha com nossa estratégia corporativa de simplificação, otimização de custos e eficiência de produção. Nós já estamos trabalhando juntos com a Wood Group no campo de Peregrino e esperamos fortalecer ainda mais nossa parceria nos próximos anos”, diz Pål Eitrheim, vice presidente sênior de desenvolvimento da produção internacional da Statoil América do Sul e presidente da Statoil Brasil.
A Wood Group tem sido a operadora das duas plataformas da Statoil desde 2009 e também participou da fase de desenvolvimento do projeto Peregrino.
“A junção desses contratos irá trazer redução de custos significativa para a Statoil Brasil, além de simplificar nossas operações. É essencial tirar o melhor do que o mercado pode nos ferecer e estreitar ainda mais nosso relacionamento com fornecedores chave”, diz Jon Arnt Jacobsen, chief procurement office da Statoil.
Sobre o campo de Peregrino
O campo de Peregrino é a primeira e maior operação da Statoil fora da Noruega. A produção foi iniciada em abril de 2011 e hoje produz em torno de 90 mil barris/dia. O campo está localizado a 85km da costa do Rio de Janeiro na bacia de Campos e a 100m de lâmina d’água, englobando as licenças BM-C-7 e BM-C-47.
A Statoil detém 60% de participação e é a operadora do campo, tendo como sócia a chinesa Sinochem com 40%.

A Wood Group será a fornecedora de serviços de operação e manutenção das duas plataformas fixas (do tipo well head platforms) denominadas Alfa e Bravo e de serviços de modificação para ambas as unidades e também para o FPSO Peregrino.

O escopo do contrato inclui serviços offshore e processos de produção e equipamentos, exceto serviços de perfuração, e introduz um novo modelo de operação para o campo, já que pela primeira vez a companhia está agrupando todos esses serviços em um único contrato, a fim de estimular integração e simplificar a gestão do contrato.

“Nós optamos por agrupar esses contratos em linha com nossa estratégia corporativa de simplificação, otimização de custos e eficiência de produção. Nós já estamos trabalhando juntos com a Wood Group no campo de Peregrino e esperamos fortalecer ainda mais nossa parceria nos próximos anos”, diz Pål Eitrheim, vice presidente sênior de desenvolvimento da produção internacional da Statoil América do Sul e presidente da Statoil Brasil.

A Wood Group tem sido a operadora das duas plataformas da Statoil desde 2009 e também participou da fase de desenvolvimento do projeto Peregrino.“A junção desses contratos irá trazer redução de custos significativa para a Statoil Brasil, além de simplificar nossas operações. É essencial tirar o melhor do que o mercado pode nos ferecer e estreitar ainda mais nosso relacionamento com fornecedores chave”, diz Jon Arnt Jacobsen, chief procurement office da Statoil.

Sobre o campo de Peregrino
O campo de Peregrino é a primeira e maior operação da Statoil fora da Noruega. A produção foi iniciada em abril de 2011 e hoje produz em torno de 90 mil barris/dia. O campo está localizado a 85km da costa do Rio de Janeiro na bacia de Campos e a 100m de lâmina d’água, englobando as licenças BM-C-7 e BM-C-47.

A Statoil detém 60% de participação e é a operadora do campo, tendo como sócia a chinesa Sinochem com 40%.

 



Fonte: Redação/Assessoria
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar