acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Economia

Pequenos negócios gaúchos geram 9.215 novos empregos

26/03/2013 | 11h23

 

As micro e pequenas empresas gaúchas geraram 9.215 empregos no mês de novembro de 2012, colocando o Rio Grande do Sul na terceira posição no país na criação de novos postos de trabalho por empreendimentos com até 99 colaboradores. O estado ficou atrás apenas de São Paulo, com 18.143 empregos e Rio de Janeiro, com 17.850. Os números são de levantamento realizado pelo Sebrae Nacional com os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado mensalmente pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).
No país, em novembro passado, os pequenos negócios foram responsáveis por 90.950 contratações, garantindo o saldo positivo no mês, pois as grandes e médias empresas demitiram 44.855 empregados. Até o final do 11º mês de 2012, as micro e pequenas empresas criaram, no Brasil, mais de 1,13 milhão de novos empregos formais. No Rio Grande do Sul, no mesmo período, foram gerados pelas empresas de micro e pequeno porte 64,9 mil postos de trabalho e 7.859 pelas médias e grandes.
Para o presidente do Sebrae no Rio Grande do Sul, Vitor Augusto Koch, o resultado do levantamento reforça a importância das micro e pequenas empresas para a economia gaúcha e do Brasil. “Como totalizam 99% dos empreendimentos no estado e no país e exercem papel fundamental na geração de emprego e renda, precisamos olhar com muita atenção para as suas necessidades e potencialidades”, avalia.
Dentre os pequenos negócios, o setor que mais criou empregos foi o de comércio, crescimento que pode ser atribuído à proximidade das festas de final de ano, que sempre aquecem a economia. Em segundo lugar ficou o setor de serviços, vagas oriundas da elevação do emprego em todos os seus ramos. Na indústria de transformação os ramos que registraram saldo positivo foram o da indústria de material de transportes e o da indústria mecânica.
Com os resultados de novembro, os micro e pequenos empreendimentos caminham para fechar o ano com um impacto na geração de empregos bem superior às médias e grandes empresas. Foram 11 meses de resultados positivos, alcançando uma média mensal que ultrapassa a casa de cem mil novos postos de trabalho. Desde o início de 2012, as empresas com até 99 funcionários criaram mais de 1,13 milhões de empregos, enquanto que as médias e grandes empresas foram responsáveis pela geração de pouco mais de 286 mil postos de trabalho.

As micro e pequenas empresas gaúchas geraram 9.215 empregos no mês de novembro de 2012, colocando o Rio Grande do Sul na terceira posição no país na criação de novos postos de trabalho por empreendimentos com até 99 colaboradores. O estado ficou atrás apenas de São Paulo, com 18.143 empregos e Rio de Janeiro, com 17.850. Os números são de levantamento realizado pelo Sebrae Nacional com os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgado mensalmente pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).


No país, em novembro passado, os pequenos negócios foram responsáveis por 90.950 contratações, garantindo o saldo positivo no mês, pois as grandes e médias empresas demitiram 44.855 empregados. Até o final do 11º mês de 2012, as micro e pequenas empresas criaram, no Brasil, mais de 1,13 milhão de novos empregos formais. No Rio Grande do Sul, no mesmo período, foram gerados pelas empresas de micro e pequeno porte 64,9 mil postos de trabalho e 7.859 pelas médias e grandes.


Para o presidente do Sebrae no Rio Grande do Sul, Vitor Augusto Koch, o resultado do levantamento reforça a importância das micro e pequenas empresas para a economia gaúcha e do Brasil. “Como totalizam 99% dos empreendimentos no estado e no país e exercem papel fundamental na geração de emprego e renda, precisamos olhar com muita atenção para as suas necessidades e potencialidades”, avalia.


Dentre os pequenos negócios, o setor que mais criou empregos foi o de comércio, crescimento que pode ser atribuído à proximidade das festas de final de ano, que sempre aquecem a economia. Em segundo lugar ficou o setor de serviços, vagas oriundas da elevação do emprego em todos os seus ramos. Na indústria de transformação os ramos que registraram saldo positivo foram o da indústria de material de transportes e o da indústria mecânica.


Com os resultados de novembro, os micro e pequenos empreendimentos caminham para fechar o ano com um impacto na geração de empregos bem superior às médias e grandes empresas. Foram 11 meses de resultados positivos, alcançando uma média mensal que ultrapassa a casa de cem mil novos postos de trabalho. Desde o início de 2012, as empresas com até 99 funcionários criaram mais de 1,13 milhões de empregos, enquanto que as médias e grandes empresas foram responsáveis pela geração de pouco mais de 286 mil postos de trabalho.

 



Fonte: Redação / Agência
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar