acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Gás Natural

PDVSA Gas pode se associar a privadas para exploração onshore

29/05/2006 | 00h00

A PDVSA Gas, unidade da petroleira estatal venezolana -PDVSA-, promoverá este ano a exploração de gás em novos blocos onshore nas regiões centro e leste do país, tanto em participação solitária quanto com sócios privados, sinalizou o vice-presidente da empresa, Félix Rodríguez, a BNamericas.

A fim de reduzir o déficit de gás natural que cria obstéculo para a produção de petróleo e a capacidade de geração elétrica, Venezuela explora atualmente várias opções. Entre elas, outorgar novas licenças para exploração e produção a companhias privadas (como o projeto Rafael Urdaneta), explorar depósitos criados por meio da reinjeção de gás (em São Tomé), aceitar sócios para áreas nas que pensava trabalhar de maneira independente (como o bloco 1 da Plataforma Deltana) e avaliando a possibilidade de oferecer novos blocos onshore.   

A novas áreas continentais se situam nos estados de Guárico, Cojedes e Anzoátegui. Estas são as zonas suscetíveis a ser exploradas por gás e não para desinflar (extrair gás de depósitos criados por reinjeção), declarou o funcionário. O cometário foi feito em alusão a São Tomé, zona próxima onde os depósitos de petróleo que foram reinjetados com gás por mais de 40 anos serão explotados para reutilizar o gás em geração elétricas, inclusive para novas reinjeções.

"O mercado interno necessita gás e a estratégia é buscar mais gás no continente", defendu Rodríguez.

Ainda não foi decidido se a PDVSA Gàs trabalhará nestes novos blocos em solitário ou com sócios privados, afirmou Rodríguez, que fez estas declarações na abertura da XVII Convenção Internacional de Gás, em Caracas

A legislação venezuelana permite que as companhias privadas obtenham uma maior participação em projetos de gás - até 60% - que nos de petróleo, nos quais só é permitido uma participação máxima de 49% de capital privado.



Fonte: BNamericas
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar