acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Nova Diretoria

Palácio do Planalto poderá escolher presidente interino na Petrobras

06/02/2015 | 10h52
Palácio do Planalto poderá escolher presidente interino na Petrobras
Elza Fiúza/Agência Brasil Elza Fiúza/Agência Brasil

Em meio a crise institucional no seio da maior empresa brasileira, a Petrobras, o Palácio do Planalto se vê numa posição no mínimo desconfortável depois que Graça Foster e os cinco diretores da empresa se anteciparam ao acordo firmado com o governo e entregaram os cargos. Atônita com a debandada geral, a presidente Dilma terá que escolher o mais rápido possível o substituto para Graça. Entretanto, o fato dos diretores saírem antes de esclarecer os problemas com o balanço do Petrobras torna a situação mais complicada. A PricewaterhouseCoopers (PwC), responsável por auditar as contas da empresa, se recusou a continuar o trabalho em razão da falta de entendimento sobre o valor das perdas imputadas pela corrupção, enquanto a Comissão de Valores Mobiliários (CMV) pediu esclarecimentos sobre a saída da cúpula do comando da Petrobras.

Diante das exigências e circunstâncias extenuantes, a Presidente Dilma se vê impelida em dar uma solução mesmo que temporária à crise. O nome de Luciano Coutinho, ex-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) surge como uma possível indicação como presidente interino da Petrobras até que seja definido o sucessor no posto. Mas, durante a reunião realizada ontem (6) de noite no Palácio do Planalto, entre Dilma e ministros das áreas político e econômica, diferentes preferências foram colocadas na mesa. O presidente da Vale, Murilo Ferreira, surgiu como possível contendor. Já o ministro da Fazenda, Joaquim Levy, defendeu um nome ligado ao mercado internacional, o presidente do Goldman Sachs no Brasil, Paulo Leme, talvez para recuperar a credibilidade dos investidores.



Fonte: Redação TN Petróleo
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar