acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Eletricidade

Pacote elétrico impôs a fundos perdas de até 17%

26/11/2012 | 10h51

 

Pacote elétrico impôs a fundos perdas de até 17%
1 2 3 4 5
 ( 0 Votos )
Eletricidade
SEG, 26 DE NOVEMBRO DE 2012 06:43
A queda das companhias de energia na bolsa provocou estragos nos fundos de ações. Desde o anúncio do pacote elétrico, há cerca de dois meses, que aumentou a aversão a empresas sujeitas a interferências do governo, as perdas em algumas carteiras superam os 17%, enquanto o principal índice da bolsa, o Ibovespa, recua cerca de 5,3%.
Levantamento realizado pelo economista Marcelo d'Agosto, do blog "O Consultor Financeiro", no portal do Valor, mostra que 17 dos 20 fundos de ações com o maior prejuízo desde 11 de setembro - dia em que foram detalhadas as condições para a renovação das concessões - são setoriais de energia e de Petrobras, geridos por grandes bancos. O estudo considerou todas as categorias de fundos de ações com patrimônio superior a R$ 10 milhões, mais de dez cotistas e acessíveis a todo tipo de investidor.
Assim como ocorreu com as elétricas, Petrobras é outro papel que vem sofrendo há algum tempo com a percepção de piora do risco político. Como a empresa tem peso maior no índice e está muito presente nas carteiras, as perdas se tornam mais perceptíveis quando se observa o universo da indústria de fundos.
No topo da lista de maiores perdas aparece o Clic FIA, com patrimônio de R$ 14 milhões e queda de 17,86% desde o anúncio do pacote até quarta-feira - último dado disponível para os fundos de ações. Os 6 mil cotistas da carteira são funcionários atuais e aposentados da Cemig. E o regulamento determina que pelo menos 51% dos recursos sejam aplicados em papéis da companhia mineira. Do dia 11 de setembro até a última quarta-feira (21), as ações ordinárias (ON, com direito a voto) da Cemig caíram 27% e as preferenciais (PN, sem voto), 35%.
Já a queda de Eletrobras, que só em novembro supera os 52%, não parece ter tido impacto tão forte sobre os fundos. Dados da estrutura de acionistas da empresa e das últimas atas de assembleia mostram que, depois do governo (União e BNDES), os investidores estrangeiros detêm a maior participação, com 22,3% do capital total e 52,9% das ações preferenciais. Segundo o formulário de referência, há ainda cerca de 13 mil pessoas físicas na base da Eletrobras.
A Associação de Investidores no Mercado de Capitais (Amec) está convocando o mercado a participar das assembleias das elétricas que tratarem das concessões, dada a gravidade do tema. Nos dias 30 e 3 há encontros de empresas relevantes do setor.


A queda das companhias de energia na bolsa provocou estragos nos fundos de ações. Desde o anúncio do pacote elétrico, há cerca de dois meses, que aumentou a aversão a empresas sujeitas a interferências do governo, as perdas em algumas carteiras superam os 17%, enquanto o principal índice da bolsa, o Ibovespa, recua cerca de 5,3%.


Levantamento realizado pelo economista Marcelo d'Agosto, do blog "O Consultor Financeiro", no portal do Valor, mostra que 17 dos 20 fundos de ações com o maior prejuízo desde 11 de setembro - dia em que foram detalhadas as condições para a renovação das concessões - são setoriais de energia e de Petrobras, geridos por grandes bancos. O estudo considerou todas as categorias de fundos de ações com patrimônio superior a R$ 10 milhões, mais de dez cotistas e acessíveis a todo tipo de investidor.


Assim como ocorreu com as elétricas, Petrobras é outro papel que vem sofrendo há algum tempo com a percepção de piora do risco político. Como a empresa tem peso maior no índice e está muito presente nas carteiras, as perdas se tornam mais perceptíveis quando se observa o universo da indústria de fundos.


No topo da lista de maiores perdas aparece o Clic FIA, com patrimônio de R$ 14 milhões e queda de 17,86% desde o anúncio do pacote até quarta-feira - último dado disponível para os fundos de ações. Os 6 mil cotistas da carteira são funcionários atuais e aposentados da Cemig. E o regulamento determina que pelo menos 51% dos recursos sejam aplicados em papéis da companhia mineira. Do dia 11 de setembro até a última quarta-feira (21), as ações ordinárias (ON, com direito a voto) da Cemig caíram 27% e as preferenciais (PN, sem voto), 35%.


Já a queda de Eletrobras, que só em novembro supera os 52%, não parece ter tido impacto tão forte sobre os fundos. Dados da estrutura de acionistas da empresa e das últimas atas de assembleia mostram que, depois do governo (União e BNDES), os investidores estrangeiros detêm a maior participação, com 22,3% do capital total e 52,9% das ações preferenciais. Segundo o formulário de referência, há ainda cerca de 13 mil pessoas físicas na base da Eletrobras.


A Associação de Investidores no Mercado de Capitais (Amec) está convocando o mercado a participar das assembleias das elétricas que tratarem das concessões, dada a gravidade do tema. Nos dias 30 e 3 há encontros de empresas relevantes do setor.

 



Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar