acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Reforço na produção

P-53 deve chegar a Rio Grande no dia 30 de agosto

09/07/2007 | 00h00
Antes de começar a ser rebocada, a P-53 desatracou do estaleiro Keppel para a realização dos testes de mar e a preparação para o transporte. Após a chegada, os módulos construídos em Niterói, Rio Grande e Cingapura serão içados e integrados à plataforma. A P-53 terá capacidade de produção de 180 mil barris por dia de petróleo, seis milhões de m3 de gás natural, geração de 92 megawatt de potência e ficará no campo de Marlim Leste, na Bacia de Campos, sobre lâmina d´água de 1.080 metros de profundidade. O casco, do antigo petroleiro Settebello, estava no estaleiro desde março de 2005, onde foi convertido e recebeu o maior turret (torre receptora das linhas de produção) do mundo, além de sistemas na praça de máquinas e casa de bombas, pintura completa dos tanques, reforços estruturais para instalação dos módulos de produção e facilidades, módulos de alojamento e escritório, três estações de baleeiras (pequenas embarcações usadas no serviço de salvamento em caso de acidente), heliponto, torre de comunicação e flare (queimador de gás). , ,, ,, ,, ,, Antes de começar a ser rebocada, a P-53 desatracou do estaleiro Keppel para a realização dos testes de mar e a preparação para o transporte. Após a chegada, os módulos construídos em Niterói, Rio Grande e Cingapura serão içados e integrados à plataforma. A P-53 terá capacidade de produção de 180 mil barris por dia de petróleo, seis milhões de m3 de gás natural, geração de 92 megawatt de potência e ficará no campo de Marlim Leste, na Bacia de Campos, sobre lâmina d´água de 1.080 metros de profundidade. O casco, do antigo petroleiro Settebello, estava no estaleiro desde março de 2005, onde foi convertido e recebeu o maior turret (torre receptora das linhas de produção) do mundo, além de sistemas na praça de máquinas e casa de bombas, pintura completa dos tanques, reforços estruturais para instalação dos módulos de produção e facilidades, módulos de alojamento e escritório, três estações de baleeiras (pequenas embarcações usadas no serviço de salvamento em caso de acidente), heliponto, torre de comunicação e flare (queimador de gás). , ,, ,, ,, ,, Antes de começar a ser rebocada, a P-53 desatracou do estaleiro Keppel para a realização dos testes de mar e a preparação para o transporte. Após a chegada, os módulos construídos em Niterói, Rio Grande e Cingapura serão içados e integrados à plataforma. A P-53 terá capacidade de produção de 180 mil barris por dia de petróleo, seis milhões de m3 de gás natural, geração de 92 megawatt de potência e ficará no campo de Marlim Leste, na Bacia de Campos, sobre lâmina d´água de 1.080 metros de profundidade. O casco, do antigo petroleiro Settebello, estava no estaleiro desde março de 2005, onde foi convertido e recebeu o maior turret (torre receptora das linhas de produção) do mundo, além de sistemas na praça de máquinas e casa de bombas, pintura completa dos tanques, reforços estruturais para instalação dos módulos de produção e facilidades, módulos de alojamento e escritório, três estações de baleeiras (pequenas embarcações usadas no serviço de salvamento em caso de acidente), heliponto, torre de comunicação e flare (queimador de gás). , ,, ,, ,, ,, Antes de começar a ser rebocada, a P-53 desatracou do estaleiro Keppel para a realização dos testes de mar e a preparação para o transporte. Após a chegada, os módulos construídos em Niterói, Rio Grande e Cingapura serão içados e integrados à plataforma. A P-53 terá capacidade de produção de 180 mil barris por dia de petróleo, seis milhões de m3 de gás natural, geração de 92 megawatt de potência e ficará no campo de Marlim Leste, na Bacia de Campos, sobre lâmina d´água de 1.080 metros de profundidade. O casco, do antigo petroleiro Settebello, estava no estaleiro desde março de 2005, onde foi convertido e recebeu o maior turret (torre receptora das linhas de produção) do mundo, além de sistemas na praça de máquinas e casa de bombas, pintura completa dos tanques, reforços estruturais para instalação dos módulos de produção e facilidades, módulos de alojamento e escritório, três estações de baleeiras (pequenas embarcações usadas no serviço de salvamento em caso de acidente), heliponto, torre de comunicação e flare (queimador de gás). , ,, ,, ,, ,, Antes de começar a ser rebocada, a P-53 desatracou do estaleiro Keppel para a realização dos testes de mar e a preparação para o transporte. Após a chegada, os módulos construídos em Niterói, Rio Grande e Cingapura serão içados e integrados à plataforma. A P-53 terá capacidade de produção de 180 mil barris por dia de petróleo, seis milhões de m3 de gás natural, geração de 92 megawatt de potência e ficará no campo de Marlim Leste, na Bacia de Campos, sobre lâmina d´água de 1.080 metros de profundidade. O casco, do antigo petroleiro Settebello, estava no estaleiro desde março de 2005, onde foi convertido e recebeu o maior turret (torre receptora das linhas de produção) do mundo, além de sistemas na praça de máquinas e casa de bombas, pintura completa dos tanques, reforços estruturais para instalação dos módulos de produção e facilidades, módulos de alojamento e escritório, três estações de baleeiras (pequenas embarcações usadas no serviço de salvamento em caso de acidente), heliponto, torre de comunicação e flare (queimador de gás). , ,, ,, ,, ,, Antes de começar a ser rebocada, a P-53 desatracou do estaleiro Keppel para a realização dos testes de mar e a preparação para o transporte. Após a chegada, os módulos construídos em Niterói, Rio Grande e Cingapura serão içados e integrados à plataforma. A P-53 terá capacidade de produção de 180 mil barris por dia de petróleo, seis milhões de m3 de gás natural, geração de 92 megawatt de potência e ficará no campo de Marlim Leste, na Bacia de Campos, sobre lâmina d´água de 1.080 metros de profundidade. O casco, do antigo petroleiro Settebello, estava no estaleiro desde março de 2005, onde foi convertido e recebeu o maior turret (torre receptora das linhas de produção) do mundo, além de sistemas na praça de máquinas e casa de bombas, pintura completa dos tanques, reforços estruturais para instalação dos módulos de produção e facilidades, módulos de alojamento e escritório, três estações de baleeiras (pequenas embarcações usadas no serviço de salvamento em caso de acidente), heliponto, torre de comunicação e flare (queimador de gás). , ,, ,, ,, ,, Antes de começar a ser rebocada, a P-53 desatracou do estaleiro Keppel para a realização dos testes de mar e a preparação para o transporte. Após a chegada, os módulos construídos em Niterói, Rio Grande e Cingapura serão içados e integrados à plataforma. A P-53 terá capacidade de produção de 180 mil barris por dia de petróleo, seis milhões de m3 de gás natural, geração de 92 megawatt de potência e ficará no campo de Marlim Leste, na Bacia de Campos, sobre lâmina d´água de 1.080 metros de profundidade. O casco, do antigo petroleiro Settebello, estava no estaleiro desde março de 2005, onde foi convertido e recebeu o maior turret (torre receptora das linhas de produção) do mundo, além de sistemas na praça de máquinas e casa de bombas, pintura completa dos tanques, reforços estruturais para instalação dos módulos de produção e facilidades, módulos de alojamento e escritório, três estações de baleeiras (pequenas embarcações usadas no serviço de salvamento em caso de acidente), heliponto, torre de comunicação e flare (queimador de gás). , ,, ,, ,, ,, Antes de começar a ser rebocada, a P-53 desatracou do estaleiro Keppel para a realização dos testes de mar e a preparação para o transporte. Após a chegada, os módulos construídos em Niterói, Rio Grande e Cingapura serão içados e integrados à plataforma. A P-53 terá capacidade de produção de 180 mil barris por dia de petróleo, seis milhões de m3 de gás natural, geração de 92 megawatt de potência e ficará no campo de Marlim Leste, na Bacia de Campos, sobre lâmina d´água de 1.080 metros de profundidade. O casco, do antigo petroleiro Settebello, estava no estaleiro desde março de 2005, onde foi convertido e recebeu o maior turret (torre receptora das linhas de produção) do mundo, além de sistemas na praça de máquinas e casa de bombas, pintura completa dos tanques, reforços estruturais para instalação dos módulos de produção e facilidades, módulos de alojamento e escritório, três estações de baleeiras (pequenas embarcações usadas no serviço de salvamento em caso de acidente), heliponto, torre de comunicação e flare (queimador de gás). , ,, ,, ,, ,

Fonte: Da redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar