acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Fim da Greve

Operários voltam ao trabalho na Usina Jirau

12/04/2011 | 09h48
Os operários da Usina Hidrelétrica Jirau, que estavam em greve desde 15 de março, voltaram ao trabalho ontem (11) após aprovarem em assembleia o acordo negociado entre os sindicatos e a construtora Camargo Correa. A greve começou depois de uma revolta generalizada no canteiro de obras, com depredação de alojamentos, veículos e equipamentos. O protesto foi contra as condições de trabalho no canteiro de obras, às margens do Rio Madeira.
 

Segundo a Central Única dos Trabalhadores (CUT), que negociou a volta ao trabalho junto com a Confederação Nacional dos Sindicatos de Trabalhadores da Indústria da Construção Civil e Madeira (Conticom) e com o Sindicato dos Trabalhadores da Indústria da Construção Civil de Rondônia (Sticcero), cerca de 4 mil trabalhadores participaram da assembleia.
 
 
Entre as propostas aprovadas estão 5% de antecipação salarial; aumento da cesta básica de R$ 110 para R$ 132; licença de cinco dias a cada três meses trabalhados, com direito a passagem de avião para que os operários possam visitar as famílias; e opção de mais de um plano de saúde com cobertura nacional. Também foi estabelecido que os trabalhadores que permaneceram alojados ou que fizeram serviços de manutenção no canteiro entre os dias 18 e 31 de março, quando a usina ficou parada, receberão um abono equivalente a 50 horas do salário.
 

O secretário de Administração e Finanças da CUT, Vagner Freitas, disse, no entanto, que a volta ao trabalho pode ser apenas temporária, caso a construtora não mostre flexibilidade. “Voltaremos ao confronto se não houver disposição em negociar melhorias nas condições de trabalho”, afirmou Freitas, que foi a Rondônia participar das negociações. Segundo ele, a CUT negocia com o governo federal e entidades patronais um pacto nacional da construção civil, para definir condições de contratação, alojamento, folga para retorno ao lar, jornada de trabalho e pagamento de horas extras.
 

O ministro do Trabalho e Emprego, Carlos Lupi, chegou hoje de helicóptero ao canteiro de Jirau para ver as condições de trabalho e os alojamentos. O ministro também visitou o canteiro da Usina Santo Antônio, também  no Madeira. Lupi ouviu as reivindicações dos operários e disse que está buscando soluções para o problema. “Estamos em busca de soluções para as questões colocadas pelos trabalhadores, afinal, eles estão trabalhando para o desenvolvimento do nosso país. É necessário dar a eles boas condições de moradia e transporte, ambiente de trabalho adequado e salários justos e iguais”, afirmou o ministro por meio de nota.


Fonte: Agência Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar