acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Preços do Petróleo

Opep: produção ainda alta mantém os preços baixos em 2018

13/07/2017 | 10h21
Opep: produção ainda alta mantém os preços baixos em 2018
Divulgação Divulgação

O novo Relatório da Opep sobre os mercados mundiais em 2018, diz que apesar do corte de produção, os seus membros ainda estão bombeando demais.

Mesmo que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo entregasse a promessa de reduzir a oferta, sua produção excedeu a demanda no primeiro semestre deste ano. Sua produção foi de 32,6 milhões de bpd em junho. Com os produtores de petróleo dos EUA liderando, segundo o levantamento, em produção sobre os seus rivais, isso mexe com os 32,2 milhões por dia que a Opep esperava ser necessário em 2018.

Os preços do petróleo caíram no mercado consumidor com preocupação de que os cortes de produção implementados pela Opep e a Rússia desde o início do ano, não foram suficientemente profundos para baixar o excesso de produção no mundo e enquanto os produtores de petróleo de xisto dos Estados Unidos estão sempre à postos para preencher qualquer déficit. Os produtores se reunirão no final deste mês em São Petersburgo para analisar seu progresso e resultados, embora cortes mais profundos não estejam na agenda.

O Relatório da Opep do seu Departamento de Pesquisa baseado em Viena indica que o acordo não foi suficientemente longe, o que poderia explicar de alguma forma a falta de um aumento sustentável dos preços após os cortes. Apesar de assumir seu compromisso de reduzir a produção, a Organização ainda estava colocando nos mercados mundiais cerca de 700 mil barris por dia no primeiro semestre deste ano é o que mostra os dados do Relatório.

Cortes mais profundos

Ainda assim, o Relatório também continha evidências de que os cortes estão tendo algum efeito. As reservas de petróleo em países desenvolvidos caíram em maio, reduzindo o seu excedente ao longo da média de cinco anos para 234 milhões de barris. Ao manter a produção a níveis de junho, a Organização reduziria o excedente global em cerca de 70 milhões de barris no segundo semestre, ficando aquém do objetivo do grupo de eliminar o excesso, de acordo com os cálculos da Bloomberg usando dados da Opep.

Embora a organização e seus parceiros tenham concordado em preservar seus cortes até o final de março, os números do Relatório sugerem que eles precisariam fazer reduções mais profundas para equilibrar o mercado em 2018. Se a produção atual for sustentada, a Opep colocará nos mercados mundiais cerca de 900 mil barris por dia no primeiro trimestre do próximo ano.

O crescimento no consumo global de petróleo será estável no próximo ano, em 1,26 milhões de barris por dia, ou 1,3 por cento. No entanto, o aumento dos estoques de fora da Opep acelerará para 1,1 milhão de barris por dia, ou cerca de 2%, com a maior parte da expansão proveniente dos EUA.



Fonte: Redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar