acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Negócios do Petróleo

Onda de parcerias do pré-sal atrairá US$ 190 bilhões

15/06/2010 | 09h48

 Praticamente aprovado o novo marco regulatório do pré-sal, o Brasil deverá assistir já nos próximos meses uma nova onda de fusões, aquisições, joint ventures e parcerias em toda cadeia do setor.

Estudo da consultoria Ernst & Young sobre as perspectivas da indústria petrolífera brasileira - ao qual o Brasil Econômico teve acesso - revela que boa parte dos negócios se dará entre as companhias já presentes no mercado brasileiro, mas uma fatia significativa das fusões e aquisições ocorrerá entre fornecedores de bens e serviços, que precisam se qualificar para atender as exigências de conteúdo local do país.

Para o especialista em Energia da Ernst & Young, Carlos Alberto de Assis, o processo, entre os fornecedores, será liderado por companhias estrangeiras com interesse em nacionalizar a produção.

Embora evite projetar um volume total de recursos envolvidos nas fusões, Assis lembra que o setor brasileiro de petróleo deverá receber investimentos diretos de US$ 190 bilhões até 2013.

Tal volume, projeta o executivo, inclui não só os desembolsos previstos pela Petrobras e demais petroleiras no país, mas também de fornecedoras de bens e serviços.

Com periodicidade trimestral, o levantamento engloba o primeiro trimestre deste ano. Não leva em consideração, portanto, episódios recentes da indústria petrolífera mundial, como o vazamento no Golfo do México da plataforma Deep Water Horizon, operada pela Transocean à serviço da British Petroleum (BP), do Reino Unido.

De qualquer forma, o executivo avalia que o acidente, no curto prazo, deverá ter impacto sobre os investimentos do setor, que deverão ser elevados como consequência do encarecimento dos custos com seguros e novas normas de segurança.

Entre 2015 e 2012, pondera Assis, esses mesmos custos deverão se estabilizar.

Para o executivo, independentemente do impacto do acidente no Golfo, as transações no Brasil deverão se intensificar nos próximos meses, como consequência direta de definições como o novo marco regulatório do pré-sal.

"Embora ainda persista uma certa insegurança quanto aos rumos da regulação brasileira, a aprovação do novo marco regulatório abre uma perspectiva positiva para as empresas interessadas", avalia o executivo, ao lembrar que, embora o novo sistema de partilha não represente o melhor modelo para os investidores, muito pior seria a indefinição de regras.

Além das reservas do pré-sal, que são muito grandes comparativamente com outras províncias petrolíferas, a atratividade também se justifica, de acordo com o executivo, por um conjunto de fatores resumido por estabilidade econômica, segurança institucional e respeito às regras.

Assis lembra, no entanto, que o tamanho das reservas amplia proporcionalmente a quantidade de oportunidades para novas empresas no país.

Para a Ernst & Young, os negócios deverão ocorrer em duas etapas. Na primeira, por meio de associações entre petrolíferas estrangeiras e a Petrobras, com objetivo de explorar as reservas do pré-sal.

Paralelamente, uma segunda frente de negócios será aberta por meio de parcerias e fusões, tanto por fornecedoras estrangeiras quanto nacionais, em busca de adequação aos padrões nacionais de conteúdo local.

"Uma característica identificada pelo estudo nesse novo processo de fusões e aquisições é que, ao contrário de outros ciclos semelhantes, desta vez os negócios serão menos numerosos, mas deverão envolver um volume maior de recursos", avalia Assis.

 



Fonte: Brasil Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar