acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Polêmica

Obama defende política climática e exploração de petróleo no Alasca

31/08/2015 | 10h11

 

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, visita hoje (31) o Alasca em meio à polêmica sobre a permissão de exploração de petróleo na região. Na viagem, ele vai defender políticas para reduzir o impacto das mudanças climáticas e também a posição de seu governo de ter liberado a exploração petrolífera no Oceano Ártico - iniciativa bastante criticada pela comunidade ambientalista mundial.
Em vídeo divulgado nesse domingo (30), Obama reforçou o discurso que já vem fazendo sobre a necessidade de os Estados Unidos liderarem a luta para amenizar as mudanças climáticas. Ele lembrou que os grandes glaciais do Ártico estão derretendo muito rapidamente, causando drásticas mudanças no volume de água dos oceanos e afetando a flora, a fauna e a população nativa do Alasca.
"O derretimento é real, ameaça o turismo e contribui para o aumento do volume da água dos oceanos", afirmou. Além de usar a visita para falar sobre as mudanças climáticas, o presidente vai defender a permanência da multinacional petrolífera Shell, que recebeu do governo norte-americano este ano permissão para perfuração de seis poços de petróleo no Ártico.
A autorização para prospectar petróleo no Ártico foi dada, apesar da resistência e de campanhas contrárias lideradas por organizações não governamentais ambientalistas, como o Greenpeace. Além dos Estados Unidos, outros países já teriam demonstrado interesse em explorar petróleo no Alasca. Anteriormente, a mesma empresa havia iniciado o trabalho, mas há três anos as perfurações tinham sido interrompidas.
Ambientalistas dizem que a atividade deverá afetar espécies e comunidades que habitam a região. Ativistas usam as redes sociais para enviar mensagens e assinar abaixo-assinados para que Obama revogue a permissão concedida à multinacional.
Em vídeo divulgado no fim de semana, o presidente falou rapidamente sobre a importância econômica da exploração petrolífera na região e dedicou mais tempo a mostrar o impacto das mudanças climáticas para os nativos do Alasca.
"Há pelo menos quatro aldeias que estão em estado de perigo iminente, que deverão ser retiradas do local de origem por causa do aumento do nível do mar. Se outro país ameaçasse uma cidade norte-americana, faríamos o possível para nos proteger. A mudança climática representa o mesmo tipo de ameaça", comentou.
Apesar da controvérsia sobre o caso específico da exploração no Ártico, a administração Obama tem avançado em relação à política de mudanças climáticas. No começo deste mês, por exemplo, o governo lançou um plano para a redução de emissão de carbono. O discurso em defesa de uma mudança na gestão de recursos tem sido constantemente feito pelo presidente.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, visita hoje (31) o Alasca em meio à polêmica sobre a permissão de exploração de petróleo na região. Na viagem, ele vai defender políticas para reduzir o impacto das mudanças climáticas e também a posição de seu governo de ter liberado a exploração petrolífera no Oceano Ártico - iniciativa bastante criticada pela comunidade ambientalista mundial.

Em vídeo divulgado nesse domingo (30), Obama reforçou o discurso que já vem fazendo sobre a necessidade de os Estados Unidos liderarem a luta para amenizar as mudanças climáticas. Ele lembrou que os grandes glaciais do Ártico estão derretendo muito rapidamente, causando drásticas mudanças no volume de água dos oceanos e afetando a flora, a fauna e a população nativa do Alasca.

"O derretimento é real, ameaça o turismo e contribui para o aumento do volume da água dos oceanos", afirmou. Além de usar a visita para falar sobre as mudanças climáticas, o presidente vai defender a permanência da multinacional petrolífera Shell, que recebeu do governo norte-americano este ano permissão para perfuração de seis poços de petróleo no Ártico.

A autorização para prospectar petróleo no Ártico foi dada, apesar da resistência e de campanhas contrárias lideradas por organizações não governamentais ambientalistas, como o Greenpeace. Além dos Estados Unidos, outros países já teriam demonstrado interesse em explorar petróleo no Alasca. Anteriormente, a mesma empresa havia iniciado o trabalho, mas há três anos as perfurações tinham sido interrompidas.

Ambientalistas dizem que a atividade deverá afetar espécies e comunidades que habitam a região. Ativistas usam as redes sociais para enviar mensagens e assinar abaixo-assinados para que Obama revogue a permissão concedida à multinacional.

Em vídeo divulgado no fim de semana, o presidente falou rapidamente sobre a importância econômica da exploração petrolífera na região e dedicou mais tempo a mostrar o impacto das mudanças climáticas para os nativos do Alasca.

"Há pelo menos quatro aldeias que estão em estado de perigo iminente, que deverão ser retiradas do local de origem por causa do aumento do nível do mar. Se outro país ameaçasse uma cidade norte-americana, faríamos o possível para nos proteger. A mudança climática representa o mesmo tipo de ameaça", comentou.

Apesar da controvérsia sobre o caso específico da exploração no Ártico, a administração Obama tem avançado em relação à política de mudanças climáticas. No começo deste mês, por exemplo, o governo lançou um plano para a redução de emissão de carbono. O discurso em defesa de uma mudança na gestão de recursos tem sido constantemente feito pelo presidente.

 



Fonte: Agência Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar