acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Empresas e mercado

O que o acionista da Petrobras deve saber

29/06/2010 | 10h52

A Petrobras é a empresa brasileira que mais tem investidores e muitos têm dúvidas sobre o processo de capitalização. Para saná-las, algumas perguntas e respostas sobre o tema.
 
1) O que é o movimento de capitalização da Petrobras?
A Petrobras é uma empresa aberta, ou seja, com ações negociadas na Bolsa de Valores. Isso quer dizer que ela pode captar dinheiro vendendo “pedaços” de seu capital, que são as ações. O movimento de capitalização é uma venda de novas ações da Petrobras, para levantar cerca de US$ 58 bilhões.

2) Para que a Petrobras quer tanto dinheiro?
Esse capital será usado para custear um plano ambicioso de investimentos da estatal, que inclui a exploração de 5 bilhões de barris de petróleo das reservas do pré-sal.
 
3) O que muda para os acionistas minoritários?
Eles têm de comprar mais ações. Se não fizerem, a participação que têm vai encolher, num fenômeno conhecido como diluição.
 
4) Por que alguns acionistas estão temerosos?
Alguns pontos do processo ainda têm de ser definidos. A Petrobras terá de pagar para explorar o petróleo do pré-sal, por meio de um mecanismo conhecido como cessão onerosa. Ninguém sabe ainda quanto ela terá de pagar ao governo.
 
5) A indefinição é ruim?
Ela oferece um risco. A União, que é dona do petróleo do pré-sal, também controla a Petrobras. Ou seja, se ela cobrar caro, todos os acionistas vão pagar a conta. Os próprios técnicos do Ministério da Fazenda reconhecem que a situação da Petrobras é “complicada” devido às características únicas da empresa.
 
6) Os acionistas minoritários podem perder dinheiro?
No curto prazo, sim. As discussões sobre a capitalização datam de agosto de 2009. Naquele momento, segundo a empresa Economática, a Petrobras valia R$ 332 bilhões. No dia 24 de junho esse valor havia encolhido para R$ 262 bilhões, uma redução de R$ 70 bilhões. Essa diferença saiu do bolso de todos os acionistas. No longo prazo, porém, uma Petrobras com dinheiro em caixa e com acesso ao pré-sal pode transformar-se em um manancial de lucros, desde que o dinheiro seja bem aplicado.
 
7) Essa queda das ações influencia outras empresas?
Sim. As ações da Petrobras estão entre as mais negociadas do mercado. Isso quer dizer que elas têm muita importância no Índice Bovespa, o principal indicador do mercado acionário brasileiro. Se elas caem, a Bolsa como um todo acompanha essa queda, o que acaba afetando quem investe em outras empresas também.
 
8) A Petrobras pode deixar de ser grau de investimento?
Não. A Petrobras é segura para receber investimentos. No início da semana, os rumores do mercado eram de que a operação poderia afetar sua classificação de risco. No entanto, na quinta-feira 24, Jose Villanueva, analista da Fitch, que avalia a Petrobras, disse que a perda do grau de investimento é “pouco provável”.
 
9) Quais as consequências de perder o grau de investimento?
Menor acesso a capital, o que poderia também afetar negativamente o preço da ação.
 
10) É hora de comprar?
Depende do apetite por risco. No dia 24 de junho, as ações preferenciais da Petrobras fecharam a R$ 27,40, uma queda de mais de 15% em três meses. No entanto, antes da crise elas chegaram a superar R$ 55 – ou seja, seus preços estão muito abaixo dos máximos históricos. Ou seja, há espaço para alta.
 
 
 
FONTE: Revista IstoÉ Dinheiro



Fonte: Isto é Dinheiro
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar