acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
publicidade
Mercado

Nova alta do petróleo ajuda a derrubar bolsas dos EUA

12/04/2006 | 00h00

As bolsas dos Estados Unidos fecharam em queda ontem, em meio às preocupações de investidores com o preço do petróleo. Também foram influenciadas pela queda acentuada nas ações do Google e de fabricantes de semicondutores. O índice Dow Jones caiu 0,46%, para 11.089 pontos, e o Standard & Poor`s 500 recuou 0,77%, a 1.286 pontos. O Nasdaq perdeu 0,98%, a 2.310 pontos.

O petróleo atingiu a mais alta cotação em sete meses, acima de US$ 69 por barril. No fechamento do dia, a commodity encerrou a US$ 68,98. Analistas afirmaram que os preços podem chegar a US$ 100 por barril. O mercado continua preocupado com a demanda de gasolina e com ameaças de corte no fornecimento.

As ações do Google caíram 1,61%, apesar de a Piper Jaffray ter elevado a previsão de receita do primeiro trimestre. Papéis da Applied Materials perderam 1,02%.

As bolsas de valores européias fecharam em queda de cerca de 1%, encerrando os pregões no menor nível em duas semanas. O desempenho foi influenciado por custos maiores das commodities, que estimularam temores com o crescimento dos lucros de empresas. O índice paneuropeu de blue-chips FTSEurofirst 300 perdeu 1,14%, a 1.367 pontos.

Em Londres, o índice Financial Times caiu 0,83%, para 6.016 pontos. Em Frankfurt, o DAX perdeu 1,58%, a 5.908 pontos. O CAC-40, francês, encerrou com queda de 1,5%. O Ibex-35, de Madri, baixou 1,21%. Em Milão, o Mibtel recuou 1,85%.

"O mercado apenas parece estar acordando para o risco dos crescentes preços de commodities. As vendas são em todo o mercado", disse um operador em Paris. O mercado europeu está hesitante nas últimas duas semanas, devido a especulações de mais aumentos nas taxas de juros em todo o mundo, após um rali de cerca de 18% nos cinco meses anteriores por conta de uma onda de aquisições e robusto crescimento do lucro de empresas.



Fonte: Valor Econômico /ag
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar