acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
E&P

Norsk Hydro compra parte da EnCana no BM-C-7 e inaugura operações no Brasil

22/11/2005 | 00h00

A norueguesa Norsk Hydro ASA inaugurou suas atividades como operadora no mercado brasileiro anunciando nesta terça-feira (22/11) acordo no qual adquiriu por US$ 350 milhões a participação da EnCana no bloco BM-C-7, localizado na Bacia de Campos, e que se chamará Chinook quando for declarada a comercialidade. A canadense era a operadora do campo, com 50% de participação no ativo adquirido na Segunda Rodada em parceria com a norte-americana Kerr McGee, que detém os outros 50%. Em comunicado divulgado à imprensa a Norsk Hydro declara que “as duas companhias tem experiências complementares que vão fazer o desenvolvimento de Chinook altamente rentável para ambas as partes”. A conclusão do acordo é esperada para o início de 2006 e está sujeita à aprovação dos órgãos reguladores.

O diretor geral da EnCana no Brasil, Júlio César Moreira, explicou que a decisão atende a estratégia de não buscar atuação como operadora em ambiente offshore, que é justamente onde a norueguesa tem experiência consolidada. Moreira destacou que não há nenhuma intenção da EnCana de se desfazer de suas participações nos outros dez blocos que fazem parte de seu portfólio no Brasil. A EnCana continuará como associada de dois blocos na Bacia Potiguar, quatro na bacia de Sergipe-Alagoas, três na Bacia do Espírito Santo e um na Bacia de Campos, todos eles adquiridos na Sétima e na Sexta Rodadas de licitações da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP). “No caso específico do Chinook, a decisão foi tomada devido à proposta, que foi muito atraente do ponto de vista financeiro”, justificou o executivo, que fez questão de frisar que não há impedimentos técnicos para que a companhia volte a atuar como operadora de blocos no Brasil.

O campo de Chinook está localizado a 75 km da costa brasileira, na altura do município fluminense de Búzios, sob lâmina de água de aproximadamente 100 metros. O local está sendo avaliado por quatro poços e é estimada uma reserva de 2 bilhões de óleo pesado (14º API). Durante o terceiro trimestre deste ano, foram feitos testes no poço de avaliação 3-ENC-3 que foram considerados bem sucedidos. A plano da Norsk Hydro é utilizar Chinook sua experiência em campos desse tipo, cuja taxa de recuperação costuma ser baixa, em torno de 10% a 15%. A descoberta de óleo no BM-C-7 foi anunciada no final do ano passado, e testes de curta duração realizados este ano registraram vazão de 1.800 barris diários durante três dias. O resultado foi considerado positivo, devido à viscosidade do ólelo produzido e ao fato de o poço ser vertical. Em avaliações recentes, a Kerr McGee estimou as reservas do Chinook entre 150 milhões e 250 milhões de barris.

“O ativo de Chinook representa uma oportunidade única para garantir recursos de longo prazo com significantivo potencial de crescimento em uma região com consideráveis reservas de óleo e potencial exploratório”, comentou Tore Torvund, vice-presidente da Norsk Hydro, responsável pelo setor de Óleo e Energia. “A aquisição marca outro importante passo na expansão dos negócios internacionais de óleo e energia da Norsk Hydro e vai nos permitir alavancar competências-chave da empresa”.

Entre as técnicas a serem aplicadas, companhia mencionou a perfuração de blocos multilaterais, poços horizontais de longo alcance e sofisticadas técnicas gerenciais de reservas. Essas tecnologias são consideradas eficazes pela norueguesa no que diz respeito à redução de custos, recuperação de recursos e na busca de melhores resultados financeiros.

A Norsk Hydro informou ainda que “trabalhará com seu parceiro para submeter um plano de desenvolvimento para colocar o Chinook em produção o mais rápido possível”. A produção é estimada para continuar até 2025, sendo que o custo de produção no local estimado é de US$ 5 por barril. O custo de operação é avaliado em aproximadamente US$ 2 por barril
 
A aquisição atende à estratégia de crescimento da norueguesa, de buscar ativos com reservas provadas não desenvolvidas e com grande potencial de expansão. Para avaliar a reserva, a Norsk Hydro aplicou preços em torno de US$ 35, antes de ajustar o valor com um desconto para óleo pesado entre 30% e 40%.



Fonte:
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar