acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Vazão Ineficiente

Nível baixo dos reservatórios leva segunda hidrelétrica a parar

27/01/2015 | 10h37

A Usina de Santa Branca, no Rio Paraíba do Sul, em São Paulo, pertencente à Light, fornecedora do Rio de Janeiro, chegou ao nível do volume morto e parou de gerar eletricidade ontem (25), de acordo com o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). É a segunda usina hidrelétrica integrante do Sistema Interligado Nacional (SIN) que parou de funcionar por falta d'água .

O nível do reservatório de Santa Branca chegou a -0,81 do volume útil, ou seja, está no chamado volume morto, nível em que não é mais possível a geração de energia. De acordo com o boletim diário da Agência Nacional de Águas (ANA), divulgado hoje, o reservatório de Santa Branca apresenta entrada de 59 metros cúbicos de água por segundo e saída de 72. O volume morto corresponde a 29,89% da capacidade total de Santa Branca

A Usina de Paraibuna, também no Rio Paraíba do Sul em São Paulo, que pertence à Companhia Energética de São Paulo (Cesp) e parou na semana passada, está com -0,26 do volume útil, com entrada de 27 metros cúbicos de água por segundo de água e saída de 50. Nesse caso, o volume morto representa 44,29% da capacidade do reservatório.

De acordo com o ONS, as duas usinas paradas são pequenas e “não têm uma geração representativa para a carga total do sistema”. A capacidade instalada de Paraibuna é 87 megawatts e a de Santa Branca, 56,1 megawatts, enquanto a carga do sistema está na faixa de 70 mil megawatts médios por dia. Como o sistema é interligado, a energia gerada em outro local é remanejada para suprir a falta causada por eventuais problemas.

O ONS informa que outros reservatórios estão no volume morto, mas as usinas continuam operando “a fio d'água”, de acordo com a topografia do terreno e o volume de água que está entrando. Porém, não há, por enquanto, previsão de que hidrelétricas parem de funcionar.

Apesar do baixo volume de água nos reservatórios, a ANA informa que “não tem nenhuma definição da área técnica sobre racionamento ou risco de desabastecimento” e que qualquer comunicado será publicado no site da agência reguladora.

O sistema de reservatórios da Bacia do Rio Paraíba do Sul está com 0,66% do volume útil total, somando Santa Branca, Paraibuna, Jaguari (1,72%) e Funil (3,75%). De acordo com o diretor executivo do Comitê Guandu, Julio Cesar Antunes, estão sendo feitas análises semanais pelo Grupo de Acompanhamento de Operações Hidráulicas, composto por integrantes do ONS, da ANA e da Agência da Bacia do Rio Paraíba do Sul (Agevap).

“Estamos ajustando a vazão objetiva de Santa Cecília [elevatória que fica após as usinas, onde é feita a transposição do Paraíba do Sul para o Guandu, sistema que fornece água para a região metropolitana do Rio de Janeiro] para vazões naturais, de forma que a gente consiga equacionar o que entra e o que sai [de água no reservatório] e estabilizar [o sistema de abastecimento de água] na condição que tem hoje, para esperar algum recebimento de precipitação”, disse Antunes.

A próxima reunião do grupo será amanhã. Segundo Antunes, 2014 foi o ano mais seco no Sistema do Paraíba do Sul e é necessário que a população se adapte ao uso mais racional da água, embora, por enquanto, não haja risco de desabastecimento. “Este ano está sendo o pior ano em relação aos anteriores – estávamos sempre comparando com os piores períodos, 1955, 1968, de acordo com cada mês. E 2014 foi o pior de todos. O volume do rio está baixo, mas são duas coisas distintas: uma coisa é não ter água e outra é o nível mais baixo, que são exatamente essas adaptações que estamos fazendo, e todo mundo vai se adaptando a essa nova realidade.”

Antunes explica que, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geofrafia e Estatística (IBGE), a agricultura consome cerca de 70% da água, a indústria, 20%, e o abastecimento fica em torno de 10%. A Secretaria de Estado do Ambiente do Rio de Janeiro divulgou nota em que afirma não haver mudanças operacionais no Sistema Guandu, “mesmo que os reservatórios do Paraibuna e de Santa Branca tenham atingido suas reservas técnicas”.

Porém, conforme a nota, o secretário André Corrêa não descarta a adoção de medidas para “amenizar a crise provocada pela estiagem” e pede a “colaboração de todos no uso racional da água”, destacando que a prioridade do governo é o consumo humano. O secretário e o presidente da Companhia Estadual de Abastecimento de Água (Cedae), Jorge Briard, reúnem-se nesta semana com representantes de indústrias que captam água na Bacia do Guandu para avaliar o consumo de água de reuso pelas empresas.



Fonte: Agência Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar