acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Bolívia

Não há contradição entre Governo e Petrobras, diz Gabrielli

08/05/2006 | 00h00

A Petrobras afirma, em nota enviada na noite de sexta-feira (05/05), que não há contradição entre as declarações do Presidente da República, Luis Inácio Lula da Silva, e os executivos da companhia em relação ao fornecimento de gás natural boliviano para o Brasil.

O presidente da petroleira brasileira, José Sérgio Gabrielli, assegura que a decisão da Petrobras é a de não aceitar aumento de preços e que esta posição será defendida na negociação com a YPFB. O presidente reafirmou que os novos investimentos na Bolívia continuam suspensos e garantiu: "nada mudou em relação ao que temos afirmado".

Na declaração, o presidente da companhia esclarece que o contrato entre a Petrobras e a YPFB estabelece os mecanismos que devem reger a negociação, e que os procedimentos previstos no contrato serão seguidos. "Primeiro, uma negociação direta entre as partes, por um período de 45 dias. Se não houver acordo, o próximo passo é a arbitragem internacional, em Nova York", informou.

Na declaração enviada à imprensa, Gabrielli, considera que a o encontro dos presidentes em Puerto Iguazú criou condições favoráveis para uma negociação mais técnica e empresarial e destaca que a declaração dos presidentes da  Argentina, Bolívia, Brasil e Venezuela divulgada ao final da reunião afirma, textualmente, que “a discussão sobre os preços do gás deve dar-se  num marco racional e eqüitativo que viabilize os empreendimentos”.

"As declarações do presidente Lula facilitam a negociação entre as empresas, restabelecendo o foro técnico e econômico em que ela deve se dar”, resume o executivo.



Fonte: Redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar