acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Energia

MPX vai participar do leilão de julho

18/04/2011 | 10h53
A MPX decidiu participar do leilão de energia de ajuste (A-3) em julho. A empresa está providenciando a documentação para entregar amanhã, último dia para inscrição. Eduardo Karrer, presidente da MPX, não informou o volume total de geração que será inscrito, mas adiantou que deve ser "uma parte substancial" dos 1.863 megawatts (MW) para os quais a empresa já obteve licença ambiental no Maranhão.
 
 
"Uma parte vai para o mercado regulado e a outra para o mercado livre", disse Karrer. A empresa vai adquirir o gás da OGX Maranhão, que hoje tem um potencial de no mínimo 11 TCF's (trilhões de pés cúbicos, na sigla em inglês) de gás na bacia do Parnaíba, segundo estimativa da consultoria DeGolyer and MacNaughton.
 

A participação da MPX no leilão tem causado inquietação nos concorrentes, que ressaltam o fato da companhia ser, junto com a Petrobras, a única a ter acesso a gás natural em condições melhores do que a concorrência. As negociações dos potenciais concorrentes com a estatal em torno do contrato de suprimento de gás tem sido tensa, devido às exigências impostas por ela para participação no próximo leilão. A estatal tem garantido que não haverá diferença de preços entre o gás vendido a terceiros e o usado em seus próprios projetos de geração.
 

Segundo Karrer, a OGX Maranhão, da qual a MPX tem 33,3%, não foi procurada por nenhum grupo interessado em adquirir o gás da empresa no Paranaíba. Até porque ele ainda não tem a comercialidade declarada, etapa exigida pela Agência Nacional do Petróleo (ANP) para um prospecto se transformar em reserva de óleo ou gás. Também não se conhece ainda os planos para desenvolvimento de uma infraestrutura de distribuição desse gás.
 

A térmica da MPX será construída junto à área de produção do reservatório, o que não exige a instalação de gasodutos, por exemplo.


Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar