acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Mercado

Moagem no Centro-Sul atinge 40,49 milhões de toneladas na segunda quinzena de agosto

12/09/2011 | 15h49
O volume de cana-de-açúcar processado pelas unidades produtoras da região Centro-Sul do Brasil somou 40,49 milhões de toneladas na segunda quinzena de agosto, queda de 3,76% comparativamente ao mesmo período da safra 2010/2011. No acumulado desde o início da safra até 1º de setembro, a moagem totalizou 338,14 milhões de toneladas.

O diretor técnico da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Unica), Antonio de Padua Rodrigues, observa que “há cinco quinzenas o processamento de cana no Centro-Sul gira em torno de 40 milhões de toneladas”. Mantido esse ritmo, deveremos observar o término da safra em meados de novembro em grande parte da região produtora, acrescentou o executivo.

De acordo com dados apurados pelo Centro de Tecnologia Canavieira (CTC), a produtividade agrícola do canavial colhido no Centro-Sul em agosto foi de 66,6 toneladas de cana por hectare, redução significativa em relação ao valor observado na mesma data de 2010 (79,4 toneladas por hectare). No acumulado desde o início da safra, a produtividade ficou em 72,4 toneladas de cana por hectare nesta safra contra 89,4 observados no último ano.

A Unica, o CTC e demais sindicatos e associações de produtores continuarão monitorando quinzenalmente a produção e as condições do canavial até o final da safra. “Vamos monitorar de perto as condições do canavial e, caso seja necessário, faremos uma nova revisão de safra,” afirma Rodrigues.


Mix e produção de açúcar e de etanol

Do volume total de cana processado na segunda quinzena de agosto, 51,19% foram utilizados para a fabricação de açúcar. Nesse período, a produção de açúcar somou 2,96 milhões de toneladas, praticamente idêntica àquela observada no mesmo período da safra passada.

Já a produção de etanol totalizou 1,74 bilhão de litros nos últimos quinze dias de agosto, sendo 737,03 milhões de litros de etanol anidro e 999,04 milhões de litros de hidratado.

“Apesar do anúncio de redução no nível de mistura do etanol anidro na gasolina a partir de primeiro de outubro, as empresas mantiveram o ritmo de produção de etanol anidro, que cresceu 19,68% em relação ao mesmo período da safra anterior”, comentou Rodrigues.

No acumulado desde o início da safra, a produção de etanol atingiu 13,77 bilhões de litros, sendo 8,54 bilhões de litros de hidratado e 5,23 bilhões de litros de etanol anidro. Já a produção de açúcar alcançou 20,38 milhões de toneladas, queda de 9,40% em relação à safra 2010/2011.

Para o executivo da Unica, “com a quebra de safra, algumas unidades produtoras reduziram o ritmo diário de moagem para produzir açúcar necessário ao cumprimento dos contratos assumidos anteriormente”.


Vendas de etanol

As vendas de etanol pelas unidades produtoras da região Centro-Sul, acumuladas de abril até 1º de setembro, somaram 9,19 bilhões de litros, 16,17% abaixo do volume vendido no mesmo período do ano passado. Deste total, 8,33 bilhões de litros foram destinados ao mercado doméstico e apenas 863,09 milhões à exportação.

Do montante direcionado ao abastecimento doméstico, 3,17 bilhões de litros referem-se ao etanol anidro e 5,17 bilhões de litros ao hidratado.

Nos últimos 15 dias de agosto, as vendas de etanol atingiram 1,05 bilhão de litros, queda de 17,44% na comparação com o valor observado em 2010 (1,27 bilhão de litros). Do total vendido na segunda metade do mês, 107,40 milhões de litros destinaram-se ao mercado externo e 942,90 milhões ao mercado doméstico.

No mercado doméstico, as vendas de etanol anidro atingiram 332,69 milhões de litros e as de hidratado 610,21 milhões na segunda quinzena de agosto.

Segundo Rodrigues, “nesse ano não observamos um aumento excessivo das vendas para o mercado doméstico no período de safra; em julho e agosto as vendas de etanol das unidades do Centro-Sul para o mercado interno permaneceram em torno de 1,8 bilhão de litros”. A manutenção dessa tendência é importante para minimizarmos o risco de aumentos abruptos de preços na entressafra, concluiu o executivo.


Fonte: Redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar