acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Energia

MME: não renovação de algumas elétricas não afetará queda de preço

16/10/2012 | 12h30

 

O secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, descartou a possibilidade do governo não conseguir reduzir a tarifa de energia em 20,2%, em média, por causa do desinteresse de empresas como a Cemig, que não aceitaram a renovação das concessões nos termos propostos pela Medida Provisória (MP) 579.
“Já era esperado que algumas empresas não aprovassem e isso não afeta [a redução da tarifa de energia]”, disse, após participar de seminário sobre a prorrogação de concessões do setor elétrico promovido na capital paulista pela Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib) e pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).
A Cemig informou ontem ao mercado que não aceitaria as novas regras para as usinas de São Simão, Jaguara e Miranda, que estão entre as cinco maiores hidrelétricas da empresa, com potência somada de 2.542 megawatts (MW), equivalente 36,5% da capacidade total de geração do grupo (de 6.964 MW, incluindo os ativos da Light).
Apesar de não ter o levantamento de quantas e quais empresas manifestaram interesse em renovar os contratos que estão vencendo, Zimmermann garantiu que a maioria das concessionárias apresentou interesse na renovação.

O secretário-executivo do Ministério de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, descartou a possibilidade do governo não conseguir reduzir a tarifa de energia em 20,2%, em média, por causa do desinteresse de empresas como a Cemig, que não aceitaram a renovação das concessões nos termos propostos pela Medida Provisória (MP) 579.


“Já era esperado que algumas empresas não aprovassem e isso não afeta [a redução da tarifa de energia]”, disse, após participar de seminário sobre a prorrogação de concessões do setor elétrico promovido na capital paulista pela Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib) e pela Confederação Nacional da Indústria (CNI).


A Cemig informou ontem ao mercado que não aceitaria as novas regras para as usinas de São Simão, Jaguara e Miranda, que estão entre as cinco maiores hidrelétricas da empresa, com potência somada de 2.542 megawatts (MW), equivalente 36,5% da capacidade total de geração do grupo (de 6.964 MW, incluindo os ativos da Light).


Apesar de não ter o levantamento de quantas e quais empresas manifestaram interesse em renovar os contratos que estão vencendo, Zimmermann garantiu que a maioria das concessionárias apresentou interesse na renovação.

 



Fonte: Valor Online
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar