acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Punição

Ministra estuda aumentar multa ambiental aplicada a empresas

02/08/2010 | 09h42
A multa para empresas que causarem danos ambientais poderá subir, admitiu na última sexta-feira (30) a ministra Izabella Teixeira (Meio Ambiente). Atualmente, o teto é de R$ 50 milhões.


A discussão sobre o aumento da punição no bolso das empresas será paralela à definição do plano nacional de contingência contra vazamentos de petróleo, explicou a ministra. O texto do plano deverá ser entregue em setembro, segundo Teixeira.


"As empresas continuarão tendo que reparar os danos causados, seja o preço que for. A multa em relação ao desastre poderá ser modificada. Isso vai ser debatido, vamos definir critérios para isso", afirmou, após encontro, no Rio, com o engenheiro Ian Hernadez, diretor da O'Brian, empresa que trabalha na gestão do vazamento de petróleo da plataforma da BP, no Golfo do México.


A ministra disse que estão sendo colhidas sugestões e sendo avaliada a experiência do desastre nos Estados Unidos para se delinear o plano de contingência. A ação emergencial extrema englobará a ação de vários órgãos, de forma "unificada", frisou a ministra. O parâmetro para se acionar o plano ainda será definido.


A ideia central do plano é permitir mecanismos que agilizem a tomada de ações, em condições extraordinárias. Um exemplo disso é a possibilidade de se permitir a queima de petróleo que tenha vazado de um poço ou plataforma. As regras atuais não permitem isso, mas o plano deve admitir essa ação.
 

A importação de equipamentos em condições especiais também deverá constar do plano, assim como autorizações para que estrangeiros trabalhem em casos extremos do porte do vazamento nos Estados Unidos. Izabella Teixeira lembrou que o acidente da BP mobilizou 44.000 pessoas de todas as partes do mundo.


"Considero satisfatória a resposta dos Estados Unidos. Temos de avaliar que se trata de um vazamento sem precedentes na história. Nenhum país do mundo, nem os Estados Unidos, estava preparado para isso", observou.


Mecanismos para acelerar o ressarcimento de danos também constarão no plano. A intenção é mapear grandes áreas onde há produção de petróleo e a atividade econômica no entorno.


A ministra Izabella Teixeira destacou que isso é feito nos Estados Unidos, o que acelerou o pagamento de indenizações a quem teve atividades profissionais afetadas pelo vazamento.


"Os critérios de riscos para as atividades de petróleo deverão ser revistos", concluiu Teixeira.


Fonte: Redação/ Agências
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar