acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Economia

Ministério da Fazenda persegue meta de 3% de crescimento

28/06/2013 | 10h24

 

Apesar das estimativas oficiais de que a economia brasileira crescerá 3,5% neste ano, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, deu sinais de que a equipe econômica trabalha com uma previsão mais baixa. Segundo ele, o ministério está se esforçando para que o Produto Interno Bruto (PIB), soma das riquezas produzidas no país, aumente 3% em 2013.
“Meu papel não é fazer previsões, mas trabalhamos com números por causa de estimativas orçamentárias [projeções usadas para definir a programação de gastos do Orçamento Geral da União]. O governo tem de se esforçar para viabilizar um crescimento de 3% neste ano”, disse o ministro.
Oficialmente, a estimativa da Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda, divulgada no fim de maio, aponta crescimento de 3,5% para este ano. A projeção só será revista no fim de julho, quando o Ministério do Planejamento divulgar o Relatório de Receitas e Despesas relativo ao terceiro bimestre.
Sobre o Relatório de Inflação, divulgado na quinta-feira (27) pelo Banco Central, o ministro não comentou as estimativas sobre o Produto Interno Bruto (PIB). O documento reduziu de 3,1% para 2,7% a previsão da autoridade monetária para a expansão da economia neste ano. Mantega disse apenas que o PIB crescerá mais neste ano do que no ano passado.
“Temos um forte aumento do investimento e da agricultura. A indústria está se recuperando, e os serviços apresentam comportamento razoável, crescendo a taxas moderadas. Estamos superando as dificuldades internacionais e, neste ano, certamente teremos crescimento maior que no ano passado e maior do que em vários países que [cujas economias] estão desacelerando”.
Sobre a revisão de 5,7% para 6% nas projeções do Banco Central sobre a inflação oficial, também apresentada no Relatório de Inflação, Mantega disse apenas que a inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficará dentro do teto da meta por mais um ano.

Apesar das estimativas oficiais de que a economia brasileira crescerá 3,5% neste ano, o ministro da Fazenda, Guido Mantega, deu sinais de que a equipe econômica trabalha com uma previsão mais baixa. Segundo ele, o ministério está se esforçando para que o Produto Interno Bruto (PIB), soma das riquezas produzidas no país, aumente 3% em 2013.


“Meu papel não é fazer previsões, mas trabalhamos com números por causa de estimativas orçamentárias [projeções usadas para definir a programação de gastos do Orçamento Geral da União]. O governo tem de se esforçar para viabilizar um crescimento de 3% neste ano”, disse o ministro.


Oficialmente, a estimativa da Secretaria de Política Econômica do Ministério da Fazenda, divulgada no fim de maio, aponta crescimento de 3,5% para este ano. A projeção só será revista no fim de julho, quando o Ministério do Planejamento divulgar o Relatório de Receitas e Despesas relativo ao terceiro bimestre.


Sobre o Relatório de Inflação, divulgado na quinta-feira (27) pelo Banco Central, o ministro não comentou as estimativas sobre o Produto Interno Bruto (PIB). O documento reduziu de 3,1% para 2,7% a previsão da autoridade monetária para a expansão da economia neste ano. Mantega disse apenas que o PIB crescerá mais neste ano do que no ano passado.


“Temos um forte aumento do investimento e da agricultura. A indústria está se recuperando, e os serviços apresentam comportamento razoável, crescendo a taxas moderadas. Estamos superando as dificuldades internacionais e, neste ano, certamente teremos crescimento maior que no ano passado e maior do que em vários países que [cujas economias] estão desacelerando”.


Sobre a revisão de 5,7% para 6% nas projeções do Banco Central sobre a inflação oficial, também apresentada no Relatório de Inflação, Mantega disse apenas que a inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficará dentro do teto da meta por mais um ano.

 



Fonte: Agência Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar