acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Internacional

Mil e quinhentas estações de serviço francesas registram falta de combustível

18/10/2010 | 09h05
Na véspera de mais uma jornada de greve geral contra os projetos governamentais, cerca de 1.500 das 12.500 estações de serviço francesas já não tinham hoje combustível, indicou à AFP a União dos Importadores Independentes de Petróleo, que representa a grande distribuição; ou seja 60 por cento das vendas.


Apesar do prosseguimento da greve nas 12 refinarias do território continental do país, o Governo garantiu durante o fim de semana que não haveria escassez de combustível e assegurou que as autoridades tudo fariam para “desbloquear os depósitos”, se necessário fosse.


Apesar de todas as tentativas oficiais de minimizar o problema, a verdade porém é que ele se está a complicar de dia para dia, com os camionistas, chamados pelos sindicatos a endurecer o movimento geral de contestação a Sarkozy, que organizaram hoje uma série de operações de marcha lenta nas imediações das grandes cidades, originando engarrafamentos de vários quilómetros nos arredores de Paris e de Lille, no Norte do país.


Em diversos locais, os grevistas foram mobilizados desde ontem à noite para bloquear os depósitos de combustível e, desse modo, impedir o reabastecimento das bombas de gasolina, constataram os jornalistas da AFP.


Os depósitos petrolíferos da Baixa Normandia e o de Brest encontram-se bloqueados desde as 04h00 locais (03h00 em Lisboa), essencialmente por empregados das empresas de transportes.


Em Frontignan, no Sul, o depósito foi bloqueado por centenas de ferroviários e de camionistas, segundo a prefeitura e uma fonte sindical. Empurrados pelas forças de segurança, eles reagruparam-se nas rotundas das imediações e cerca das 08h30 locais três dezenas de camiões estavam bloqueados por cerca de 80 manifestantes.


Em centenas de cidades, como Toulouse e Saint-Etienne, militantes e grevistas bloquearam os depósitos dos transportes colectivos, impedindo durante horas os autocarros e os eléctricos rápidos de circular.


De igual modo, também os transportes ferroviários continuaram hoje a registar perturbações, dizendo a Sociedade Nacional dos Caminhos de Ferro (SNCF) que só consegue garantir metade dos comboios de alta velocidade (TGV), ao mesmo tempo que também há grandes perturbações nas ligações internacionais.


O Governo garantiu ontem que o funcionamento dos aeroportos da região parisiense não se encontra ameaçado pela falta de combustível, mas a verdade é que pediu às transportadoras para que atestem os aviões nas escalas que fizerem no estrangeiro.


Fonte: Redação/ Agências
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar