acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Biocombustíveis

Memorando de entendimento para avaliar produção no nordeste recebe adesão de novas empresas

23/07/2007 | 00h00
As empresas Toyota Tsusho, Odebrechet e Queiroz Galvão assinaram na sexta-feira (20), na sede da Petrobras, documento de adesão ao Memorando de Entendimento firmado pela Petrobras e Itochu em junho passado para avaliação do potencial de produção de biocombustíveis na região denominada Canal do Sertão Pernambucano, situada nos estados da Bahia e Pernambuco.





A adesão da Toyota Tsusho, Odebrechet e Queiroz Galvão tem como objetivo, em conjunto com a Petrobras e a Itochu, trazer benefícios do crescente mercado internacional dos biocombustíveis para a região do semi-árido brasileiro, com ganhos sociais, econômicos e ambientais.





O memorando entre a Petrobras e a empresa japonesa Itochu Corporation foi assinado no dia 8 de junho de 2007, objetivando avaliar o potencial de produção de bioetanol, biodiesel e bioeletricidade, a partir da cana-de-açúcar e oleaginosas diversas, naquela área do nordeste.





O Canal do Sertão Pernambucano é uma região de 150.000 ha, localizada na área de atuação da Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba – Codevasf, que abrange 16 municípios do Estado de Pernambuco, entre os quais Petrolina, Ouricuri, Trindade, Araripina, além do Município de Casa Nova, no Estado da Bahia.





Os estudos contemplarão a produção de biocombustíveis, como o etanol a partir da cana-de-açúcar e o biodiesel a partir de pinhão manso, mamona e dendê, utilizando a irrigação como principal fonte de fornecimento de água para a garantia de produção dos biocombustíveis, evitando a sazonalidade climática que se tem em outras regiões do país.





Será avaliada, também, a melhor logística de escoamento da futura produção, para atender, de forma segura e competitiva, tanto o mercado japonês como os demais mercados potenciais em outras partes do mundo.

Fonte: Da redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar