acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Protesto

Manifestantes acampam em frente à sede da Petrobras

25/09/2013 | 09h38

 

Representantes dos movimentos sociais e sindicais que integram a campanha O Petróleo Tem que Ser Nosso acamparam hoje (24) em frente à sede da Petrobras, na Avenida Chile, no centro do Rio. Os manifestantes, que prometeram ficar no local por tempo indeterminado, pedem a suspensão do leilão do Campo de Libra, o primeiro do pré-sal, marcado para 21 de outubro.
O diretor do Sindicato dos Petroleiros do Rio de Janeiro (Sindipetro-RJ), Emanuel Cancella, disse que o número de acampados deve aumentar, pois prevista a chegada de caravanas de vários estados com camponeses, moradores de encostas e outros grupos, que vão se somar à manifestação e debater o assunto.
A situação no local é tranquila e não foram registrados incidentes até o momento. Segundo Emanuel, "a polícia está ameaçando tirar o pessoal que está acampado na porta da Petrobras, mas nós já avisamos a empresa que se isso ocorrer, nós ocuparemos uma unidade da Petrobras", disse.
Cancella informou que 80 entidades enviaram uma carta à presidenta Dilma Rousseff, entre elas o Sindipetro-RJ, Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, a Frente Internacionalista dos Sem Teto, entidades estudantis e o Movimento Ocupa Cabral, pedindo o cancelamento do leilão do Campo de Libra.
"A presidenta Dilma falou que privatizar o pré-sal era um crime, e que o pré-sal é o nosso passaporte para o futuro. Agora, ela autoriza o leilão. Nós queremos que ela cancele o leilão. Estamos esperando o pronunciamento dela. Vamos continuar acampados até que o leilão seja suspenso", declarou o diretor do Sindpetro-RJ.

Representantes dos movimentos sociais e sindicais que integram a campanha O Petróleo Tem que Ser Nosso acamparam ontem (24) em frente à sede da Petrobras, na Avenida Chile, no centro do Rio. Os manifestantes, que prometeram ficar no local por tempo indeterminado, pedem a suspensão do leilão do Campo de Libra, o primeiro do pré-sal, marcado para 21 de outubro.


O diretor do Sindicato dos Petroleiros do Rio de Janeiro (Sindipetro-RJ), Emanuel Cancella, disse que o número de acampados deve aumentar, pois prevista a chegada de caravanas de vários estados com camponeses, moradores de encostas e outros grupos, que vão se somar à manifestação e debater o assunto.


A situação no local é tranquila e não foram registrados incidentes até o momento. Segundo Emanuel, "a polícia está ameaçando tirar o pessoal que está acampado na porta da Petrobras, mas nós já avisamos a empresa que se isso ocorrer, nós ocuparemos uma unidade da Petrobras", disse.


Cancella informou que 80 entidades enviaram uma carta à presidenta Dilma Rousseff, entre elas o Sindipetro-RJ, Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, a Frente Internacionalista dos Sem Teto, entidades estudantis e o Movimento Ocupa Cabral, pedindo o cancelamento do leilão do Campo de Libra.


"A presidenta Dilma falou que privatizar o pré-sal era um crime, e que o pré-sal é o nosso passaporte para o futuro. Agora, ela autoriza o leilão. Nós queremos que ela cancele o leilão. Estamos esperando o pronunciamento dela. Vamos continuar acampados até que o leilão seja suspenso", declarou o diretor do Sindpetro-RJ.

 



Fonte: Agência Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar