acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Bolívia

Lula evita confronto e ainda tenta negociar com Evo Morales

03/05/2006 | 00h00

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva conversou com o presidente boliviano, Evo Morales, e recebeu garantias de que não haverá interrupção no fornecimento de gás do país vizinho e que seus preços serão objeto de negociação. Lula, Morales e os presidentes Néstor Kirchner (Argentina) e Hugo Chávez (Venezuela) se reunirão na quinta-feira, em Foz do Iguaçu, para discutir a crise política provocada pela decisão boliviana de nacionalizar a produção de gás.

O presidente Lula passou o dia de ontem em uma reunião emergencial com ministros e o presidente da Petrobras, Sergio Gabrielli. Apesar da avaliação política de que a passividade diante da ação de Morales poderá estimulá-lo a tomar outras medidas, o governo preferiu "chancelar" a atitude. Pesou para a decisão a imagem cultivada pelo Brasil de líder sul-americano em busca de uma relação pacífica entre os países da região.

O Planalto divulgou nota afirmando que "o governo agirá com firmeza e tranqüilidade em todos os foros no sentido de preservar os interesses da Petrobras", mas declarou que "a decisão do governo boliviano é reconhecida como ato inerente à sua soberania". Brasília não conta com a possibilidade de um recuo de Morales. Prefere trabalhar com a negociação de preços durante o prazo de transição dos contratos.

A nacionalização do gás na Bolívia deve trazer explosão de preços, temem as empresas do setor. Desde agosto de 2005 o gás importado subiu 45% e um novo reajuste ocorrerá em 1º de julho. Um cenário mais radical, de interrupção do fornecimento, levaria à paralisação da produção de vários segmentos industriais, especialmente os de vidros e cerâmicas. As empresas não têm um plano B. Na indústria do vidro, teriam de converter seus fornos para uso de óleo combustível, uma operação cara e que levaria de três a seis meses para sua conclusão.



Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar