acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Balanço

Lucro líquido da Petrobras atingiu R$ 6,96 bilhões e foi melhor resultado trimestral dos últimos cinco anos

08/05/2018 | 14h18
Lucro líquido da Petrobras atingiu R$ 6,96 bilhões e foi melhor resultado trimestral dos últimos cinco anos
Divulgação Divulgação

No primeiro trimestre de 2018, a Petrobras registrou um lucro líquido de R$ 6,96 bilhões sendo o melhor resultado trimestral desde o início de 2013, quando a empresa havia lucrado R$ 7,69 bilhões, e também terminou o trimestre com resultados positivos em sua métrica de segurança.

“Estamos cumprindo à risca o que prometemos no nosso plano de negócios anunciado em 2016 e o resultado do primeiro trimestre mostra que as escolhas têm sido acertadas e que o esforço tem valido a pena. Com este resultado, consolidamos a trajetória de recuperação da Petrobras. Nosso objetivo, e ainda há muito o que fazer, é chegar a dezembro com uma empresa que tem indicadores de segurança entre os melhores do nosso setor, financeiramente equilibrada e com sua reputação recuperada”, disse o presidente da Petrobras, Pedro Parente (foto).

No primeiro trimestre de 2018, a companhia reduziu a taxa de acidentados registráveis de 1,08 acidentados por milhão de horas trabalhadas no fim de 2017 para 0,95 acidentados por milhão de horas trabalhadas, ligeiramente abaixo da métrica de 1,0 que foi revisada para o fim deste ano. O indicador financeiro, que é a relação entre a dívida líquida e o Ebitda ajustado, também registrou melhora, saindo de 3,67 vezes para 3,52, reafirmando o compromisso estabelecido no plano de negócios da Petrobras, de chegar ao final do ano com uma relação dívida líquida/Ebitda ajustado de, no máximo, 2,5 vezes.

A principal explicação para o aumento de 56% no lucro líquido do primeiro trimestre de 2018 em relação ao mesmo período do ano passado é o aumento nas cotações internacionais do petróleo, que saiu de US$ 53,8 na média do primeiro trimestre de 2017 para US$ 66,8 neste ano. Além disso, a mudança no preço internacional também permitiu que a Petrobras obtivesse margens mais elevadas nas exportações de petróleo e gás natural, assim como na venda de derivados. A empresa também teve ganhos com a alienação de ativos de Lapa, Iara e Carcará no pré-sal da Bacia de Santos.

Por outro lado, houve redução no volume de vendas no Brasil (principalmente da gasolina, em função de maior concorrência do etanol) e queda no volume de petróleo exportado. Os dados de importação de terceiros a partir do primeiro trimestre de 2018, no entanto, indicam que houve mudança na tendência de mercado, com uma redução significativa nas compras de diesel, que caíram de 4.170 mil metros cúbicos no quarto trimestre de 2017 para 2.907 mil metros cúbicos no primeiro trimestre de 2018, levando a uma recuperação da participação de mercado da Petrobras, que saiu de 74% em 2017 para 79% em abril de 20181. Na gasolina, as importações registraram pequena elevação, mas a participação de mercado da companhia aumentou, de 83% em 2017 para 86% em abril de 2018 .

A elevação nos preços internacionais do petróleo também levou a pagamentos mais altos de participações governamentais, que subiram de R$ 6,20 bilhões no primeiro trimestre de 2017 para R$ 7,97 bilhões no mesmo período deste ano. As despesas da companhia também foram afetadas pelo pagamento de tarifas para uso do gasoduto da Nova Transportadora do Sudeste (NTS) e pelo impacto da variação de valor das opções contratadas para proteger o preço de parte da produção de óleo.

O desempenho das operações da empresa manteve tendência positiva que já vinha sendo registrada em trimestres anteriores, com um lucro operacional 25% maior que o primeiro trimestre do ano passado, totalizando R$ 17,82 bilhões, com destaque para o início da produção no campo de Búzios, avanço físico na construção das oito plataformas que serão instaladas no Brasil até o fim de 2019, crescimento de 4% nas exportações, menores despesas gerais e administrativas e menores gastos com ociosidade de equipamentos. Já a dívida líquida da empresa diminuiu para US$ 81,45 bilhões, uma redução de 4% em relação ao último trimestre. Com uma gestão ativa da dívida, também foi possível aumentar o prazo médio de vencimento de 8,62 para 9,26 anos e manter a taxa média de juros em 6%.

Com o lucro líquido registrado no primeiro trimestre de 2018, a Petrobras irá remunerar todos os seus acionistas no valor de R$ 0,05 por ação. A distribuição para os acionistas não era feita pela Petrobras desde 2014.

Métricas de topo

A Taxa de Acidentados Registráveis (TAR) foi de 0,95. A métrica prevista para 2018 era de 1,0 por milhão de homens-hora, mas a empresa conseguiu antecipar em dois anos o alcance do indicador em relação ao previsto no planejamento estratégico.

Exportações

A Petrobras manteve a posição de exportadora líquida, com saldo de 507 mil bpd no primeiro trimestre de 2018 (em comparação com os 489 mil bpd no 1º trimestre de 2017), em função da redução das importações em 38%.

Fluxo de Caixa Livre positivo

O Fluxo de Caixa Livre permaneceu positivo pelo décimo segundo trimestre consecutivo, atingindo R$ 13 bilhões no primeiro trimestre de 2018, 3% inferior ao ano anterior, principalmente em função do pagamento da primeira parcela do acordo da Class Action e do prêmio para contratação de opções de venda para proteger o preço de parte da produção de óleo.

Lucro operacional

O lucro operacional foi de R$ 17,82 bilhões no primeiro trimestre de 2018, 25% superior ao do primeiro trimestre de 2017.

 



Fonte: Redação/Agência Petrobras
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar