acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
publicidade
Cesp

Lobão reafirma que não há acordo sobre usinas

09/09/2008 | 08h35

Luziânia, GO - O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, reiterou hoje que não foi fechado nenhum acordo com o governo do Estado de São Paulo em relação à renovação das concessões das usinas hidrelétricas de Jupiá e Ilha Solteira, da Companhia Energética de São Paulo (Cesp). "O que houve foi uma visita do governador José Serra ao gabinete da ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, que falou sobre isso. Não somente sobre a concessão da Cesp como também de outras empresas, cujas concessões vencem a partir de 2015", disse Lobão, que visitou esta manhã as obras da usina hidrelétrica Corumbá III, no município goiano de Luziânia, a 130 quilômetros de Brasília. O encontro da ministra Dilma com José Serra foi na última quinta-feira (dia 4).

 

Lobão disse que o grupo de trabalho que foi criado dentro o Ministério de Minas e Energia para discutir o que será feito com as concessões que não podem mais ser renovadas, ainda não concluiu os seus estudos. Pela lei atual, a concessão de uma usina só pode ser renovada uma única vez. No caso de Jupiá e Ilha Solteira e de outras usinas do sistema Eletrobrás, as concessões vencem em definitivo em 2015.


Foi justamente por não haver uma definição com relação a essas concessões que o leilão de privatização da Cesp fracassou no início do ano, já que os investidores temiam assumir o controle de uma empresa que iria perder em pouco tempo usinas que representam 67% de sua capacidade de geração.

 

A usina de Corumbá III, visitada hoje por Lobão, deverá começar gerar energia em fevereiro de 2009. A usina terá capacidade para produzir 93,6 megawatt (MW), o suficiente para abastecer uma população de 500 a 700 mil pessoas. O consórcio que está construindo a usina é liderado pela empresa Neoenergia e integrado por outras empresas como a Companhia Energética de Brasília (CEB).



Fonte: Agência Estado
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar