acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Política

Lobão: aumento de 6% da gasolina seria "justo"

11/10/2013 | 11h23

 

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, disse ontem (10), novamente, que o governo não definiu se haverá reajuste no preço da gasolina neste ano. "Não sei nem se terá", respondeu o ministro a jornalistas, ao ser perguntado se o aumento poderia ser de 6%, para completar o percentual de aumento solicitado pela Petrobras. "O porcentual é justo, mas não sabemos se será feito agora", enfatizou.
No início do ano, o governo autorizou aumento de 6,6% da gasolina nas refinarias, para alinhar o preço do combustível ao mercado internacional. O reajuste solicitado pela Petrobras foi 13% para todo o ano.
Há duas semanas, Lobão disse que o assunto está sendo discutido pelo Conselho de Administração da Petrobras, presidido pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega. Ele sinalizou que o combustível poderá ter novo aumento até o fim do ano.
"O presidente do Conselho, ao aprovar o aumento em janeiro, disse que poderia haver até o fim do ano uma nova revisão dos preços. Quem decide isso é a diretoria e o Conselho de Administração da Petrobras", destacou.
De acordo com Lobão, o governo tem sido, nos últimos anos, parceiro da empresa, concedendo áreas do pré-sal para exploração e segurando baixas nos preços dos combustíveis em momentos de queda do petróleo no mercado internacional. "A Petrobras não pode reclamar muito, porque o governo sempre ajudou a Petrobras", disse. A empresa tem pedido ao governo um maior alinhamento dos preços internos de combustíveis na comparação com os internacionais, para evitar déficits elevados.

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, disse ontem (10), novamente, que o governo não definiu se haverá reajuste no preço da gasolina neste ano. "Não sei nem se terá", respondeu o ministro a jornalistas, ao ser perguntado se o aumento poderia ser de 6%, para completar o percentual de aumento solicitado pela Petrobras. "O porcentual é justo, mas não sabemos se será feito agora", enfatizou.

No início do ano, o governo autorizou aumento de 6,6% da gasolina nas refinarias, para alinhar o preço do combustível ao mercado internacional. O reajuste solicitado pela Petrobras foi 13% para todo o ano.

Há duas semanas, Lobão disse que o assunto está sendo discutido pelo Conselho de Administração da Petrobras, presidido pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega. Ele sinalizou que o combustível poderá ter novo aumento até o fim do ano.

"O presidente do Conselho, ao aprovar o aumento em janeiro, disse que poderia haver até o fim do ano uma nova revisão dos preços. Quem decide isso é a diretoria e o Conselho de Administração da Petrobras", destacou.

De acordo com Lobão, o governo tem sido, nos últimos anos, parceiro da empresa, concedendo áreas do pré-sal para exploração e segurando baixas nos preços dos combustíveis em momentos de queda do petróleo no mercado internacional. "A Petrobras não pode reclamar muito, porque o governo sempre ajudou a Petrobras", disse. A empresa tem pedido ao governo um maior alinhamento dos preços internos de combustíveis na comparação com os internacionais, para evitar déficits elevados.

 



Fonte: Diário do Nordeste
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar