acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Empresas

Liderrol tem patente exclusiva reconhecida na China e no México

13/06/2014 | 14h22
Liderrol tem patente exclusiva reconhecida na China e no México
Divulgação Divulgação

 

A Liderroll teve a patente exclusiva do Sistema de Roletes Motrizes reconhecida pela China e pelo México, além de já possuir o registro em países como Brasil, Estados Unidos, Canadá e Rússia. A nova conquista abre mais oportunidades para a empresa brasileira, que vem desenvolvendo negociações para iniciar testes em diversas regiões internacionais onde oleodutos e gasodutos sofrem com a variação de temperaturas.
Duas regiões em que a Liderroll mantém negociações de grande relevância são o Oriente Médio, onde trata da participação de projetos nos desertos, e a América do Norte, em que pretende participar da construção do Gasoduto Keystone, que liga o Canadá à Houston, onde a empresa possui um escritório, ou ainda nos gasodutos que vão cortar o Canadá, levando o petróleo das areias betuminosas até os portos canadenses.
A tecnologia do Sistema de Roletes Motrizes criada pela Liderroll foi utilizada pela primeira vez em 2010, no lançamento de uma linha de 38 polegadas em lance único de 3,8 km do túnel do Gasduc, sob a Serra dos Gaviões, em Cachoeira de Macacu, que leva o gás da Bacia de Campos até a Reduc, em Duque de Caxias (RJ). Em 2011, a tecnologia foi aperfeiçoada para lançar o Gasoduto do Gastau, de 28 polegadas, no túnel de 5,1 km sob a Serra do Mar, em São Paulo, onde a Petrobras já contratou a Liderroll para lançar mais duas outras linhas de dutos de oito polegadas, também usando esta tecnologia exclusiva.
O presidente da Liderroll, Paulo Fernandes, aproveitou a última edição da Offshore Technology Conference (OTC), em Houston (EUA), para iniciar conversações com a Gazprom, da Rússia, que demonstrou interesse em estudar a tecnologia brasileira para a utilização na construção de um gasoduto que levará o gás da Rússia para a China.
“Já recebemos inclusive pedidos de escritórios de advogados para a fabricação de equipamentos com nossa tecnologia na Rússia, mas não gosto muito da ideia de licenciar. Nosso objetivo é desenvolver aqui e levar pra lá. Queremos ajudar no avanço do Brasil”, afirma Fernandes.
A Liderroll também apoia a expansão da malha dutoviária brasileira e o presidente acredita que a construção de tubos aparentes pode ser uma boa solução para o planejamento, já que isso gera redução de custos, prazos, aumenta a vida útil das tubulações e ainda facilita a manutenção e a fiscalização permanente delas.
“Num país do nosso tamanho, cavar uma vala para enterrar os tubos, por exemplo, do Rio até a Bahia, é difícil, extremamente caro, mais perigoso e mais demorado. Por que não quebrarmos este paradigma com tubos aparentes?”, questiona Paulo Fernandes.
Para divulgar o mercado brasileiro e trazer novas ideias da indústria internacional, Fernandes se prepara para ir à feira de Calgary, no Canadá, a mais importante do setor de pipelines da América do Norte, e estimula mais empresas brasileiras a participarem do evento.
“Estaremos em Calgary com um estande muito grande, que inclusive demos o nome de Pavilhão Brasil, e gostaria de ceder espaço para quem quiser ir. É muito importante mostrarmos o que temos, nossas tecnologias e nossas oportunidades, afinal a feira é um grande hub de pipelines”, diz.
A Liderroll também vem ampliando sua atuação na Europa, onde atua por meio de uma representação brasileira na cidade de Haia, na Holanda.

A Liderroll teve a patente exclusiva do Sistema de Roletes Motrizes reconhecida pela China e pelo México, além de já possuir o registro em países como Brasil, Estados Unidos, Canadá e Rússia. A nova conquista abre mais oportunidades para a empresa brasileira, que vem desenvolvendo negociações para iniciar testes em diversas regiões internacionais onde oleodutos e gasodutos sofrem com a variação de temperaturas.

Duas regiões em que a Liderroll mantém negociações de grande relevância são o Oriente Médio, onde trata da participação de projetos nos desertos, e a América do Norte, em que pretende participar da construção do Gasoduto Keystone, que liga o Canadá à Houston, onde a empresa possui um escritório, ou ainda nos gasodutos que vão cortar o Canadá, levando o petróleo das areias betuminosas até os portos canadenses.

A tecnologia do Sistema de Roletes Motrizes criada pela Liderroll foi utilizada pela primeira vez em 2010, no lançamento de uma linha de 38 polegadas em lance único de 3,8 km do túnel do Gasduc, sob a Serra dos Gaviões, em Cachoeira de Macacu, que leva o gás da Bacia de Campos até a Reduc, em Duque de Caxias (RJ). Em 2011, a tecnologia foi aperfeiçoada para lançar o Gasoduto do Gastau, de 28 polegadas, no túnel de 5,1 km sob a Serra do Mar, em São Paulo, onde a Petrobras já contratou a Liderroll para lançar mais duas outras linhas de dutos de oito polegadas, também usando esta tecnologia exclusiva.

O presidente da Liderroll, Paulo Fernandes, aproveitou a última edição da Offshore Technology Conference (OTC), em Houston (EUA), para iniciar conversações com a Gazprom, da Rússia, que demonstrou interesse em estudar a tecnologia brasileira para a utilização na construção de um gasoduto que levará o gás da Rússia para a China.

“Já recebemos inclusive pedidos de escritórios de advogados para a fabricação de equipamentos com nossa tecnologia na Rússia, mas não gosto muito da ideia de licenciar. Nosso objetivo é desenvolver aqui e levar pra lá. Queremos ajudar no avanço do Brasil”, afirma Fernandes.

A Liderroll também apoia a expansão da malha dutoviária brasileira e o presidente acredita que a construção de tubos aparentes pode ser uma boa solução para o planejamento, já que isso gera redução de custos, prazos, aumenta a vida útil das tubulações e ainda facilita a manutenção e a fiscalização permanente delas.

“Num país do nosso tamanho, cavar uma vala para enterrar os tubos, por exemplo, do Rio até a Bahia, é difícil, extremamente caro, mais perigoso e mais demorado. Por que não quebrarmos este paradigma com tubos aparentes?”, questiona Paulo Fernandes.
Para divulgar o mercado brasileiro e trazer novas ideias da indústria internacional, Fernandes se prepara para ir à feira de Calgary, no Canadá, a mais importante do setor de pipelines da América do Norte, e estimula mais empresas brasileiras a participarem do evento.

“Estaremos em Calgary com um estande muito grande, que inclusive demos o nome de Pavilhão Brasil, e gostaria de ceder espaço para quem quiser ir. É muito importante mostrarmos o que temos, nossas tecnologias e nossas oportunidades, afinal a feira é um grande hub de pipelines”, diz.

A Liderroll também vem ampliando sua atuação na Europa, onde atua por meio de uma representação brasileira na cidade de Haia, na Holanda.



Fonte: Ascom Liderrol
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar