acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
publicidade
Marintec South America 2015

Lideranças governamentais, setoriais e empresariais abriram a 12ª edição da Marintec

12/08/2015 | 10h11
Lideranças governamentais, setoriais e empresariais abriram a 12ª edição da Marintec
Conteúdo Empresarial Conteúdo Empresarial

 

Lideranças governamentais, setoriais e empresariais abriram as discussões no primeiro dia da 12ª edição da Marintec South America - Navalshore, maior evento do setor de construção e reparo naval da América Latina, que começou nesta terça (11) e vai até quinta, no Rio de Janeiro (RJ).  
O secretário de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços do Estado do Rio de Janeiro, Marco Capute, afirmou que tem confiança no crescimento do setor: “Estou no cargo há cinco meses e, desde então, minha agenda está carregada de reuniões com empresas que querem investir no Rio”. 
O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior também acredita na força do setor, destacou o coordenador-geral das Indústrias Automotiva Naval e de Equipamento de Transporte, João Rossi. “Estamos acompanhando a crise, mas sabemos que o segmento naval é forte. O plano de negócios da Petrobras é robusto e está em andamento e as perspectivas são otimistas. Vamos discutir saídas e superar os desafios. 
Para o diretor da Agência de Transportes Aquaviários (Antaq), Alberto Tokarski, otimismo não basta, o Brasil precisa ter o compromisso de diminuir a burocracia. Ele se refere às licitações de arrendamentos de áreas portuárias, cujo o primeiro bloco está sob avaliação do Tribunal de Contas da União (TCU). “Gostaríamos que o processo tivesse mais celeridade, pois temos convicção que as áreas são atrativas e vão gerar investimentos, inclusive de fora do País”, observa. 
Para o superintendente de Insumos Básicos do BNDES, Rodrigo Bacellar, o ano é de desafios, mas não necessariamente significa que haverá retração para as atividades do banco de fomento, como disse durante participação na Marintec “Só neste ano, a instituição deve financiar mais de R$ 3 bilhões para projetos de construção naval. A busca por mercados externos, inclusive, é uma oportunidade para as empresas enquanto o Pais está instável”, observou. 
A Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro) teme que a falta de governabilidade no País afete a continuidade dos projetos nos setores naval e offshore, segundo o vice-presidente da entidade, Raul Sanson. “O momento é difícil e decidimos trabalhar em duas frentes, com o mapeamento da indústrial naval e com o conselho de oil & gas, para discutir os leilões no setor, fundamentais para o seu funcionamento”, explicou. Sanso ressalta que, o Rio de Janeiro é o estado que mais sofre quando o ambiente de negócios é ruim, pois 80% das atividades petrolíferas e de gás e 50% da produção naval estão em seu território. 
“O grande desafio desta edição da Marintec é o de auxiliar o segmento a formular uma agenda positiva para os próximos anos, com o objetivo de consolidar a atividade naval no País e na América do Sul. Para isso, introduzimos novidades no modelo do evento como o Fórum de Líderes, que reúne, em uma programação de debates, os principais players e lideranças setoriais e governamentais na busca de soluções para o setor”, destaca Jean-François Quentin, presidente da UBM Brazil, responsável pela organização do evento.

Lideranças governamentais, setoriais e empresariais abriram as discussões no primeiro dia da 12ª edição da Marintec South America - Navalshore, maior evento do setor de construção e reparo naval da América Latina, que começou nesta terça (11) e vai até quinta, no Rio de Janeiro (RJ).

O secretário de Desenvolvimento Econômico, Energia, Indústria e Serviços do Estado do Rio de Janeiro, Marco Capute, afirmou que tem confiança no crescimento do setor: “Estou no cargo há cinco meses e, desde então, minha agenda está carregada de reuniões com empresas que querem investir no Rio”. 

O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior também acredita na força do setor, destacou o coordenador-geral das Indústrias Automotiva Naval e de Equipamento de Transporte, João Rossi. “Estamos acompanhando a crise, mas sabemos que o segmento naval é forte. O plano de negócios da Petrobras é robusto e está em andamento e as perspectivas são otimistas. Vamos discutir saídas e superar os desafios. 
Para o diretor da Agência de Transportes Aquaviários (Antaq), Alberto Tokarski, otimismo não basta, o Brasil precisa ter o compromisso de diminuir a burocracia. Ele se refere às licitações de arrendamentos de áreas portuárias, cujo o primeiro bloco está sob avaliação do Tribunal de Contas da União (TCU). “Gostaríamos que o processo tivesse mais celeridade, pois temos convicção que as áreas são atrativas e vão gerar investimentos, inclusive de fora do País”, observa. 

Para o superintendente de Insumos Básicos do BNDES, Rodrigo Bacellar, o ano é de desafios, mas não necessariamente significa que haverá retração para as atividades do banco de fomento, como disse durante participação na Marintec “Só neste ano, a instituição deve financiar mais de R$ 3 bilhões para projetos de construção naval. A busca por mercados externos, inclusive, é uma oportunidade para as empresas enquanto o Pais está instável”, observou. 
A Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro) teme que a falta de governabilidade no País afete a continuidade dos projetos nos setores naval e offshore, segundo o vice-presidente da entidade, Raul Sanson. “O momento é difícil e decidimos trabalhar em duas frentes, com o mapeamento da indústrial naval e com o conselho de oil & gas, para discutir os leilões no setor, fundamentais para o seu funcionamento”, explicou. Sanso ressalta que, o Rio de Janeiro é o estado que mais sofre quando o ambiente de negócios é ruim, pois 80% das atividades petrolíferas e de gás e 50% da produção naval estão em seu território. 

“O grande desafio desta edição da Marintec é o de auxiliar o segmento a formular uma agenda positiva para os próximos anos, com o objetivo de consolidar a atividade naval no País e na América do Sul. Para isso, introduzimos novidades no modelo do evento como o Fórum de Líderes, que reúne, em uma programação de debates, os principais players e lideranças setoriais e governamentais na busca de soluções para o setor”, destaca Jean-François Quentin, presidente da UBM Brazil, responsável pela organização do evento.



Fonte: Redação/ Assessoria
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar