acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Energia Nuclear

Licitação de Angra 3 sai na próxima semana

23/03/2011 | 09h58
O debate sobre os projetos de energia nuclear, desencadeado pelo temor de vazamento em uma das usinas japonesas após o recente terremoto, não alterou os planos em andamento na Eletronuclear, pelo menos no que se refere às obras de Angra 3, a única usina nuclear do país com obras em andamento. Na próxima semana, a estatal controlada pela Eletrobras vai colocar na rua o edital para compra de toda a infraestrutura eletromecânica da nova usina brasileira. Trata-se de um edital com valor estimado em R$ 1,5 bilhão, um dos maiores do setor de energia programados para este ano.
 

A informação foi confirmada por Leonam dos Santos Guimarães, assistente da presidência da Eletronuclear. "O edital está pronto e só precisa passar pelo conselho de administração da empresa", disse Guimarães ao Valor.
 
 
A expectativa da Eletronuclear é que, passada as fases de recebimento de propostas e qualificação de concorrentes, o contrato seja firmado até junho. O edital, que vai permitir a participação de forma individual ou por meio de consórcios, trata da montagem de toda parte técnica da nova usina.
 

Segundo Guimarães, que também é membro do Grupo Permanente de Assessoria da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), atualmente há 2,3 mil pessoas trabalhando na construção de Angra 3. São funcionários da construtora Andrade Gutierrez e de suas subcontratadas, que atuam em obras civis. No pico da construção, que segundo o cronograma será atingido em dois anos, a previsão é de que haja 5 mil trabalhadores em atividade.
 

Atualmente, segundo Guimarães, Angra 3 tem algo entre 10% e 15% de seu projeto já executado. A previsão da Eletronuclear é de que a usina entre em operação até o fim de 2015.
 

Os primeiros equipamentos comprados para erguer Angra 3 foram adquiridos há 35 anos. A usina chegou a ter suas obras iniciadas, mas o projeto foi paralisado em 1986, em decorrência das polêmicas geradas pelo acidente nuclear de Chernobil, na Rússia. As obras só seriam retomadas em 2007. A previsão da Eletronuclear é de que a conclusão de Angra 3 consuma cerca de R$ 9 bilhões.
 

Hoje, as duas usinas nucleares em atividade no país - Angra 1 e 2 - fornecem juntas 2 mil megawatts (MW) de energia, o que responde por apenas 1,8% do total da matriz energética brasileira. Com a entrada de Angra 3, deverão ser adicionados mais 1.405 MW na geração nuclear.
 

Enquanto toca as obras de Angra 3, a Eletronuclear acompanha com cautela os desdobramentos que o acidente nuclear de Fukushima, no Japão, pode gerar sobre seus planos para instalar mais quatro usinas no país.
 
 
O cronograma prevê que sejam investidos aproximadamente R$ 30 bilhões na construção dessas quatro usinas, cada uma com capacidade de 1 mil MW, o que elevaria a potência do parque nacional nuclear para 7,3 mil MW até 2030.


Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar