acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Indústria Naval

Licitação da Transpetro é dos virtuais

12/07/2005 | 00h00

Três estaleiros chamados virtuais e apenas um real foram pré-qualificados para a licitação da Transpetro, através da qual a estatal encomendará 42 navios ao longo de 10 anos. O investimento no programa será de US$ 1,9 bilhão.
O grande vencedor, com 115,6 pontos, foi consórcio pernambucano Camargo Corrêa /Andrade Gutierrez, com assistência técnica do estaleiro Mitsui, do Japão. Embora classificado em primeiro lugar para o Grupo A, de construção de petroleiros Suezmax e Aframax, o grupo ainda não possui estaleiro. O consórcio Rio Naval, único pré-qualificado que realmente possui instalações para a construção dos navios, conquistou o segundo lugar do Grupo A, com 111, 6 pontos. O terceiro colocado para este mesmo grupo de construção foi o, também virtual, consórcio Rio Grande, formado por Aker Promar, Queiróz Galvão e Aker, da Noruega, com assistência técnica do estaleiro Samsung, da Coréia. A pontuação do consórcio Rio Grande foi 110,4 pontos.
O gerente de construção naval da Camargo Corrêa, Edilson Rocha Dias, informou que o estaleiro do consórco vencedor comerçará a ser construído em janeiro de 2006 e deverá estar pronto em 15 ou 18 meses. Já para a entrega do primeiro navio, o executivo estima cerca de 30 meses, a partir da assinatura do contrato. Segundo Dias, o prazo de 15 meses para a entrega do primeiro navio que havia sido proposto no primeiro edital da Transpetro foi eliminado pela impossibilidade de ser atendido. "Isso não existe mais, para um estaleiro virtual, como iríamos prometer isso?", questiona.  
O estaleiro da Camargo Corrêa / Andrade Gutierrez será construído em área no porto de Suape, no Recife (PE) e terá capacidade de processar 8 mil toneladas de aço por mês. O investimento já iniciado será de US$ 214 milhões. 
Por outro lado, representante do consórcio Rio Naval, o presidente da Empresa Brasileira de Engenharia, David Fischel, comentou que com o estaleiro do Sermetal, cuja aquisição deverá estar definida em 60 ou 90 dias, o grupo tem condições de entregar navios em cerca de 16 meses. O consórcio Rio Naval também precisa fazer investimentos, mas as cifras são significativamente inferiores aos feitos pelo consórcio virtual vencedor. Fischel estima que para o estaleiro Sermetal ter plenas condições de construir os grandes petroleiros deverá receber investimentos entre US$ 15 e 20 milhões.
O grupo B, para a construção de petroleiros Panamax, teve como vencedor do consórcio Rio Naval, com 111,2 pontos, seguido dos grupos Camargo Correia/Andrade Grutierrez (106,2), e Rio Grande (105,9), além do estalerio Rio Grande (100,8). No grupo C, para a construção de gaseiros e navios de produtos, as maiores pontuações foram para o Rio Naval (101,7), Camargo Correia/Andrade Gutierrez (96,2), Estaleiro Rio Grande (94,4) e consórcio Rio Grande (93,8).    
A partir do resultado da licitação, o presidente da Transpetro, Sérgio Machado, informou através de nota que convocou uma reunião extraordinária da diretoria para apreciar o resultado, avaliar seus impactos e discutir a possibilidade de, através de um ato de gestão, amplicar a lista de pré-qualificados.
O secretário estadual de Energia Indústria Naval e Petróleo, Wagner Victger, considerou uma "flagrante agressão" contra a economia e às empresas já existentes no estado do Rio e também ao emprego de milhãres de trabalhadores do setor a decisão da Comissão de licitação, que privilegiou a constratação de estaleiros de outros estados e que "só existem no papel". Segundo Victer, a pré-qualificação certamente será reformada.
Entre os estaleiros desqualificados, a maioria acredita pretende aguardar o resultado da reunião da Transpetro antes de se manifestar sobre a possibilidade de entrar com recursos. O representante do consório formado pela Nuclep/Beter/Grupo Pen e assistência técnica do estaleiro Gdynia, da Polônia, Marcelo Moraes, que é gerente comercial da Nuclep, informou que o consórcio que representa pretende entrar com recurso para melhorar as notas obtidas. "É certo que para o grupo A acreditavámos ser difícil, mas para o Grupo B tínhamos certeza de que entraríamos", comentou. Melhorando a nota, o consórcio da Nuclep pode ter chance na ampliação da lista de pré-qualificados.
A partir desta quarta-feira (13/07) e até o dia 20 de julho estará aberto o prazo para a verificação das propostas por todos os participantes. No dia 21 de julho, as empresas serão informadas dos recursos possíveis, e o prazo para a apresentação de recursos será de 22 a 28 de julho.



Fonte:
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar