acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Petróleo e Gás

Lei dos Royalties não deve sair este ano

14/09/2012 | 16h32

 

A diretora-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP), Magda Chambriard, afirmou que não acredita "pessoalmente" que o Congresso Nacional apreciará até o fim deste ano a lei dos royalties. "É ano eleitoral", disse. Assim, a 11ª rodada de licitações de blocos exploratórios da ANP não deverá acontecer tão cedo.
A executiva lamentou a situação e previu que, se a rodada demorar muito, o Brasil não terá em 2016 nenhum campo de exploração, só de produção.
Magda, que participou do lançamento de uma publicação do setor no Rio de Janeiro, nesta sexta-feira (14), informou que o governo não marca o leilão porque, sem a aprovação da lei dos royalties, os contratos suscitarão dúvidas e incertezas.
A ANP propõe ao governo o leilão de 174 blocos na margem equatorial brasileira, do Rio Grande do Norte ao Amapá, em terra e no mar. Segundo a diretora, a área será "a nova fronteira exploratória do País" por haver indícios consistentes da presença de petróleo.

A diretora-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP), Magda Chambriard, afirmou que não acredita "pessoalmente" que o Congresso Nacional apreciará até o fim deste ano a lei dos royalties. "É ano eleitoral", disse. Assim, a 11ª rodada de licitações de blocos exploratórios da ANP não deverá acontecer tão cedo.


A executiva lamentou a situação e previu que, se a rodada demorar muito, o Brasil não terá em 2016 nenhum campo de exploração, só de produção.


Magda, que participou do lançamento de uma publicação do setor no Rio de Janeiro, nesta sexta-feira (14), informou que o governo não marca o leilão porque, sem a aprovação da lei dos royalties, os contratos suscitarão dúvidas e incertezas.


A ANP propõe ao governo o leilão de 174 blocos na margem equatorial brasileira, do Rio Grande do Norte ao Amapá, em terra e no mar. Segundo a diretora, a área será "a nova fronteira exploratória do País" por haver indícios consistentes da presença de petróleo.

 



Fonte: Agência Estado
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar