acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Parceria

Jordânia quer atrair investidores brasileiros na área de energia

16/10/2012 | 09h40

 

O rei da Jordânia Abdullah II e o ministro das Relações Exteriores, Nasser Judeh, demonstraram hoje (16) interesse em desenvolver parcerias com o Brasil para projetos no Mar Morto e Mar Vermelho, assim como acordos nas áreas de energia elétrica, agricultura e saúde. A indicação foi dada durante reuniões com o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, que está na Jordânia.
Nas reuniões hoje, o rei e o chanceler disseram que querem ampliar o número de investidores brasileiros na Jordânia. Ambos acrescentaram que as prioridades são as empresas de joint ventures da Petrobras e na área agroalimentar de trading companies.
No projeto relacionado ao Mar Morto e ao Mar Vermelho, os brasileiros deverão entrar na área de dessalinização da água, gerando oportunidades e emprego, além de cooperar com a formação de mão de obra profissional especializada. As autoridades jordanianas sinalizaram que em breve ocorrerão as licitações.
A Jordânia é considerado um país com elevado índice de desenvolvimento, registrando mais de 90% dos cerca de 6 milhões de habitantes alfabetizados. Também registra baixo índice de mortalidade infantil e a expectativa de vida alcança os 72 anos. Porém, o país enfrenta a instabilidade política causada pelos vizinhos e grupos terroristas, como a Al Qaeda.
As relações econômicas entre Brasil e Jordânia têm evoluído nos últimos anos, segundo o governo brasileiro. O intercâmbio comercial cresceu 582%, no período de 2002 a 2011, passando de US$ 28 milhões para US$ 191 milhões.

O rei da Jordânia Abdullah II e o ministro das Relações Exteriores, Nasser Judeh, demonstraram hoje (16) interesse em desenvolver parcerias com o Brasil para projetos no Mar Morto e Mar Vermelho, assim como acordos nas áreas de energia elétrica, agricultura e saúde. A indicação foi dada durante reuniões com o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, que está na Jordânia.


Nas reuniões hoje, o rei e o chanceler disseram que querem ampliar o número de investidores brasileiros na Jordânia. Ambos acrescentaram que as prioridades são as empresas de joint ventures da Petrobras e na área agroalimentar de trading companies.


No projeto relacionado ao Mar Morto e ao Mar Vermelho, os brasileiros deverão entrar na área de dessalinização da água, gerando oportunidades e emprego, além de cooperar com a formação de mão de obra profissional especializada. As autoridades jordanianas sinalizaram que em breve ocorrerão as licitações. A Jordânia é considerado um país com elevado índice de desenvolvimento, registrando mais de 90% dos cerca de 6 milhões de habitantes alfabetizados. Também registra baixo índice de mortalidade infantil e a expectativa de vida alcança os 72 anos. Porém, o país enfrenta a instabilidade política causada pelos vizinhos e grupos terroristas, como a Al Qaeda.


As relações econômicas entre Brasil e Jordânia têm evoluído nos últimos anos, segundo o governo brasileiro. O intercâmbio comercial cresceu 582%, no período de 2002 a 2011, passando de US$ 28 milhões para US$ 191 milhões.

 



Fonte: Agência Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar