acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Gás natural

Ipiranga estima que mercado de GNV dobrará até 2010

10/03/2005 | 00h00

A Ipiranga espera para os próximos cinco anos um crescimento de 97,6% do número de veículos movidos a GNV no Brasil, que subiriam das atuais 861 mil unidades para aproximadamente 1,7 milhão, com um aumento de participação na frota nacional de 3,7% para 7%. A meta do grupo é responder por 30% das vendas desse futuro mercado, com cerca de 300 postos. As estimativas foram feitas nesta quinta-feira (10/03) pelo diretor-superintendente da Companhia Brasileira de Petróleo Ipiranga, Leocárdio de Almeida Antunes Filho, após a inauguração do primeiro posto de GNV com a bandeira do grupo no Espírito Santo e o milésimo de todo o país.
A Ipiranga pretende investir R$ 35 milhões na inauguração de 30 postos de gás natural ao longo deste ano e chegar em dezembro com um total de 160 unidades. No ano passado, foram investidos R$ 30 milhões no segmento, que alcançou um crescimento de 30%, com 130 postos. Segundo Antunes, a aposta do grupo no GNV se deve ao forte potencial de expansão do segmento, que apresenta hoje uma forte demanda reprimida.
A estréia no Espírito Santo, explicou o executivo, faz parte da estratégia de ampliar a presença em regiões onde a demanda deve crescer mais fortemente nos próximos anos. “O Espírito Santo tem um potencial muito grande. Tem demonstrado isso nos últimos anos com todas essas descobertas e com os programas de investimentos feitos pelo estado”, disse Leocárdio Antunes Filho.
Todo o gás comercializado pelo novo posto, instalado em Vila Velha, é produzido na Bacia do Espírito Santo. O produto é fornecido pela concessionária local, que no caso é a BR Distribuidora. “Em termos de gás natural, a única questão é a oferta porque há algumas dificuldades na disponibilização pela concessionária estadual. A solução para esse problema da oferta passa pela principal fornecedora hoje do país, que é a Petrobras, que disponibiliza o gás para a concessionária, e em todos os investimentos que precisam ser feitos na malha de distribuição, que são os dutos”, explicou o diretor-executivo do grupo. 



Fonte:
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar