acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Petroquímica

Ipiranga corta produção em 40%

31/05/2004 | 00h00

Pressionada pelo aumento das cotações do petróleo, a Refinaria Ipiranga reduziu em 40% a produção de combustíveis e derivados, para 45 milhões de metros cúbicos por mês, e ameaça paralisar a produção caso o governo federal não reajuste os preços da gasolina e do óleo diesel. Como alternativa, a empresa cobra a concessão de subsídios com base na Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) ou garantias de aquisição de matéria-prima a preços compatíveis com os aplicados aos produtos finais.
A diretora-superintendente da refinaria, localizada em Rio Grande (RS), Elizabeth Tellechea, não fixou data para a suspensão das operações, mas disse que a solução precisa vir a "curto prazo" porque a defasagem nos preços dos derivados já provocou um prejuízo de R$ 20 milhões neste ano. A Ipiranga recebe R$ 0,68 por litro de gasolina e diz que o valor deveria ser reajustado em 50%. No caso do óleo diesel, o aumento deveria ser de 23%.
A empresa vem reduzindo gradualmente o refino desde março e a alta nos preços do petróleo já afetou os resultados do primeiro trimestre. De janeiro a março a companhia apurou receita líquida de R$ 142,8 milhões, abaixo dos R$ 157 milhões do mesmo período do ano passado. O lucro líquido recuou de R$ 54,8 milhões para R$ 30,9 milhões e a queda não foi maior graças à equivalência patrimonial obtida das empresas de distribuição de petróleo e petroquímica do grupo, pois o resultado bruto da refinaria caiu de R$ 5,8 milhões positivos em 2003 para R$ 109 mil negativos este ano.
Elizabeth reclama do "monopólio" da Petrobras nos setor, que detém mais de 95% de participação no mercado e tem condições de absorver aumentos internacionais do petróleo porque é praticamente auto-suficiente. E, como a estatal não reajusta seus preços ao consumidor, as duas refinarias privadas do país - Ipiranga, que importa a matéria-prima da Argentina, e Manguinhos - não têm espaço para aplicar os aumentos necessários, argumenta a diretora.
Conforme a empresária, enquanto o barril de petróleo chegou a passar de US$ 40 nas últimas semanas, os preços da gasolina, do diesel e do gás de cozinha estão na faixa de US$ 31 e US$ 32, a mesma praticada no ano passado. A Ipiranga supre 14% do mercado gaúcho de combustíveis.



Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar