acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Pessoas

Ipen tem novo superintendente

09/01/2013 | 11h19

 

O engenheiro de materiais, José Carlos Bressiani, é o novo superindentente do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen). Servidor de carreira do instituto, Bressiani ocupava o cargo de diretor de Pesquisa, Desenvolvimento e Ensino do Ipen desde 2004. Foi chefe da área de materiais cerâmicos de 1988 a 2004.
É autor de mais de 370 trabalhos científicos publicados em revistas, capítulos de livros e anais de congressos e orientou 32 dissertações e teses. É bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq nível 1B e preside a Comissão de Pós-Graduação do Ipen/USP desde 2005.
Bressiani ingressou no Ipen como estagiário em 1975, para um curso introdutório sobre energia nuclear, em período integral, com duração de dois meses, após concluir sua graduação pela UFSCar em 1974. Com o término do curso, o bom desempenho garantiu uma bolsa para pós-graduação.
Foi admitido como servidor em 1975 e iniciou os estudos de mestrado pela Escola Politécnica da USP, transferindo-se no ano seguinte para o recém-inaugurado programa de pós-graduação do Ipen em associação com a USP. Concluiu o mestrado em Tecnologia Nuclear no ano de 1980 com pesquisa relacionada a combustíveis nucleares do tipo placa.
Em agosto de 1980 ganhou bolsa do Pró-Nuclear para realizar seus estudos de doutorado na Alemanha, onde permaneceu de 1980 a 1984, tendo recebido o título de doutor pelo Instituto Max-Planck/Universidade de Stuttgart.
Bressiani atuou como coordenador de vários programas e comissões técnicas, foi membro do Conselho de Pós-Graduação da Universidade de São Paulo e presidiu por duas vezes a Associação Brasileira de Cerâmica, da qual é diretor de Administração.
Coordenou projetos de pesquisas apoiados pela Fapesp e foi coordenador dos projetos de fabricação das barras de controle e segurança dos reatores Ipen/MB-01 e IEA-R1.
É coordenador do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica e de Bolsas de Iniciação Tecnológica da Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen) desde 2008. É também diretor do Centro Franco-Brasileiro de Documentação Técnica e Científica (CenDoTeC) desde maio de 2004.
Bressiani é membro do Conselho de Administração das Indústrias Nucleares do Brasil (INB) desde 2010 e membro do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo de 2010 a 2012, reconduzido para um novo mandato de dois anos.
É fundador e editor adjunto da revista Materials Research e membro da comissão editorial das revistas Cerâmica, Tile & Brick International e Interceran - International Ceramic Review.
O processo de escolha do gestor foi aberto em agosto, com o estabelecimento de uma lista tríplice pelo conselho superior do Ipen, que encaminha a lista para aprovação do presidente da Cnen e do reitor da USP. A lista é encaminhada ao governador do estado de São Paulo, para nomeação, por intermédio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia do Estado. O mandato tem duração de quatro anos, permitida uma recondução.

O engenheiro de materiais, José Carlos Bressiani, é o novo superindentente do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (Ipen). Servidor de carreira do instituto, Bressiani ocupava o cargo de diretor de Pesquisa, Desenvolvimento e Ensino do Ipen desde 2004. Foi chefe da área de materiais cerâmicos de 1988 a 2004.


É autor de mais de 370 trabalhos científicos publicados em revistas, capítulos de livros e anais de congressos e orientou 32 dissertações e teses. É bolsista de produtividade em pesquisa do CNPq nível 1B e preside a Comissão de Pós-Graduação do Ipen/USP desde 2005.


Bressiani ingressou no Ipen como estagiário em 1975, para um curso introdutório sobre energia nuclear, em período integral, com duração de dois meses, após concluir sua graduação pela UFSCar em 1974. Com o término do curso, o bom desempenho garantiu uma bolsa para pós-graduação.


Foi admitido como servidor em 1975 e iniciou os estudos de mestrado pela Escola Politécnica da USP, transferindo-se no ano seguinte para o recém-inaugurado programa de pós-graduação do Ipen em associação com a USP. Concluiu o mestrado em Tecnologia Nuclear no ano de 1980 com pesquisa relacionada a combustíveis nucleares do tipo placa.


Em agosto de 1980 ganhou bolsa do Pró-Nuclear para realizar seus estudos de doutorado na Alemanha, onde permaneceu de 1980 a 1984, tendo recebido o título de doutor pelo Instituto Max-Planck/Universidade de Stuttgart.


Bressiani atuou como coordenador de vários programas e comissões técnicas, foi membro do Conselho de Pós-Graduação da Universidade de São Paulo e presidiu por duas vezes a Associação Brasileira de Cerâmica, da qual é diretor de Administração.


Coordenou projetos de pesquisas apoiados pela Fapesp e foi coordenador dos projetos de fabricação das barras de controle e segurança dos reatores Ipen/MB-01 e IEA-R1.


É coordenador do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica e de Bolsas de Iniciação Tecnológica da Comissão Nacional de Energia Nuclear (Cnen) desde 2008. É também diretor do Centro Franco-Brasileiro de Documentação Técnica e Científica (CenDoTeC) desde maio de 2004.


Bressiani é membro do Conselho de Administração das Indústrias Nucleares do Brasil (INB) desde 2010 e membro do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo de 2010 a 2012, reconduzido para um novo mandato de dois anos.


É fundador e editor adjunto da revista Materials Research e membro da comissão editorial das revistas Cerâmica, Tile & Brick International e Interceran - International Ceramic Review.


O processo de escolha do gestor foi aberto em agosto, com o estabelecimento de uma lista tríplice pelo conselho superior do Ipen, que encaminha a lista para aprovação do presidente da Cnen e do reitor da USP. A lista é encaminhada ao governador do estado de São Paulo, para nomeação, por intermédio da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia do Estado. O mandato tem duração de quatro anos, permitida uma recondução.

 



Fonte: Agência Fapesp
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar