acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Latin Upstream

Investimentos na América Latina podem chegar a US$ 160 bilhões

18/04/2007 | 00h00

Oportunidades de negócios petrolíferos na América Latina nos próximos 10 anos somam investimentos de US$ 160 bilhões, segundo cálculos do secretário executivo da Associação Regional de Empresas de Petróleo e Gás Natural Latino-americanas (Arpel), José Félix García.

Na área de exploração e produção, o executivo destacou o plano de investimentos da petroleira estatal venezuelana, a PDVSA, que chega a US$ 60 bilhões para a produção adicional de cerca de 3 milhões de barris de óleo por dia.

Investimentos na Bolívia também poderiam chegar a US$ 20 bilhões para a produção de gás natural, além de outros projetos gasíferos em outros países também da ordem dos US$ 20 bilhões.

No campo do refino, a Associação calcula investimentos gerais na América Latina serão da ordem dos US$ 30 bilhões.

Arpel também inclui entre as oportunidades de na região o Gasoduto del Sur, desde a Venezuela até Argentina, no valor de US$ 30 bilhões.

O executivo da Arpel defende, entretanto, a conjunção de parcerias público-privadas para dar sustentação aos investimentos.

Na mesma linha da Arpel, a Organização Latino-Americana de Energia (Olade), prevê inúmeros projetos, especialmente de gás natural envolvendo América do Sul e Caribe até 2018.

O diretor de estratégias e projetos da Olade, Maurício Garrón, defendeu a integração gasífera regional considerando que Brasil e Argentina terão demandas elevadas e que sequer o gás da Bolívia será suficiente. "Será preciso integrar o gás da Venezuela também", defendeu.

No esquema arpesentado durante sua palestra na conferência Latin Upstream, realizada durante os dias 17 e 18 de abril no Rio de janeiro, o executivo apresentou diversas linhas de dutos desde o Caribe até a Terra do Fogo, cruzando o Brasil, além de rotas de gás natural liquefeito (GNL), especialmente para Brasil e Argentina.



Fonte:
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar