acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
publicidade
Meio Ambiente

Investidores com US$ 1 trilhão pedem que grandes marcas aumentem suas metas climáticas

18/04/2018 | 08h34

Investidores que administram mais de US$ 1 trilhão, coordenados pela ShareAction, estão pedindo a empresas em todo o mundo que reduzam drasticamente o impacto de suas operações no planeta e protejam os ativos financeiros que gerenciam das mudanças climáticas.

O apelo foi feito por mais de 60 grandes acionistas, como Aegon Asset Management, Candriam Investors Group e Ethos Foundation (coletivo de fundos de pensão suíços), que desde o começo deste ano enviaram cartas aos executivos-chefes de grandes empresas como Netflix, The Walt Disney Company, Whirlpool, Intel, Samsung etc, e também para grandes emissores de carbono dos setores de geração de energia e cimento.

"O risco climático é agora visto como um risco mainstream para a estabilidade financeira de investidores e reguladores em todo o mundo. É crucial que isso se traduza em pressão nos setores mais ricos em carbono, que são críticos para a transição para o baixo carbono", destaca Isabelle Cabie, Chefe Global de Desenvolvimento Responsável do Candriam Investors Group, que administra £ 97 bilhões.

Os investidores do grupo Iniciativa de Descarbonização dos Investidores estão encorajando as empresas cujas ações eles detêm a estabelecerem metas ambiciosas baseadas na ciência para reduzir suas emissões de gases de efeito estufa, em linha com o Acordo de Paris sobre mudança climática, e a se comprometerem com uma energia mais limpa, como eletricidade renovável. Nas cartas, os investidores dizem que querem "investir em empresas ambientalmente e financeiramente sustentáveis que estejam preparadas e contribuindo para a economia de baixo carbono".

'Em geral, ainda existe uma lacuna entre o modo como as empresas identificam os riscos relacionados ao clima e como estão se preparando para enfrentá-los. Esperamos que essa abordagem para a definição de metas se torne a nova norma e que ela faça avançar a implementação do Acordo de Paris", destaca Emanuele Fanelli, Gerente de Investimentos Responsáveis da Aegon Asset Management (£ 279 bilhões AUM).

O apoio de investidores pode fornecer um incentivo adicional vital para empresas que reconhecem a necessidade de se preparar e participar da transição de baixo carbono. Os investidores querem manter empresas cujos modelos de negócios estejam alinhados com a economia de baixo carbono.

Além de coordenar o apoio dos investidores a metas científicas, o ShareAction também está pedindo aos investidores que apoiem a resolução de acionistas na Shell, pedindo que a empresa defina metas climáticas alinhadas ao Acordo de Paris. A votação é outro teste da posição dos investidores sobre as questões da mudança climática.

 



Fonte: Redação/Assessoria
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar