acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
publicidade
Bolívia

Indústria acompanha com preocupação decisão de nacionalizar operações de gás

02/05/2006 | 00h00

A indústria brasileira acompanha com preocupação os desdobramentos da decisão do governo da Bolívia de nacionalizar as operações de petróleo e gás daquele país. A afirmação é do presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Armando Monteiro Neto. “Toda medida de caráter unilateral e que representa rompimento de contratos é sempre preocupante, pois vai afetar o relacionamento dos dois países”, afirmou

Ele destacou que existe a expectativa de pressões de custos e lembrou que há empresas brasileiras que terão seus interesses diretamente prejudicados pelos efeitos dessa medida. Segundo  Monteiro  Neto,  no  entanto, ainda é cedo para alarmismo.

“Precisamos conhecer melhor o teor do decreto que nacionalizou os campos e ativos das empresas petrolíferas e aguardar os primeiros entendimentos, que devem estar sendo realizados entre os dois governos”, afirmou o executivo em nota.
       
O presidente da CNI não cogita a hipótese de corte de suprimento físico de gás para o Brasil, o que seria, na avaliação dele, algo desastroso para a própria Bolívia, cuja receita deriva, em grande medida, desse fornecimento.
“Esperamos que haja um mínimo de racionalidade e que não haja nenhum risco  na manutenção dos níveis atuais de suprimento”, afirmou.
       
Nesse momento, a preocupação maior está relacionada com a questão dos preços. Na avaliação de Monteiro  Neto, qualquer alteração  na estrutura  de preços resultará em pressão imediata de custos no Brasil, o que poderá gerar incertezas. “Espero que o governo boliviano tenha o bom senso e a prudência necessários para que uma relação, que historicamente foi sempre  tão estreita e fraterna, não seja agora comprometida por uma ação extemporânea e, a meu ver, absolutamente injustificada, tendo em vista até  os interesses estratégicos dos dois países”, afirmou o presidente da CNI.
       
De acordo com dados da Associação Brasileira das Empresas Distribuidoras  de Gás Canalizado (Abegás), divulgados pela CNI, a maior parte dos 25 milhões de metros cúbicos de gás que o Brasil importa por dia vem da Bolívia.
 
Isso representa metade da produção brasileira. Em janeiro, o Brasil  consumiu, em média, 42,7 milhões de metros cúbicos de gás por dia, sendo  que o setor industrial é o maior consumidor, com 53,4%. Outros 26,7% foram  utilizados por termelétricas para a geração de energia elétrica e 4,2% em  co-geração, 13% foram direcionados para uso automotivo e o restante para uso residencial e comercial.



Fonte: Redação
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar