acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Firjan

Incentivos fiscais: CNI aprova pedido da Firjan e entrará com ação no STF

28/09/2016 | 10h46

Em reunião nesta terça-feira, 27, em Brasília, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) aprovou, por unanimidade, o pedido do Sistema FIRJAN para entrar com uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (Adin) no Supremo Tribunal Federal (STF) contra a lei que reduz incentivos fiscais no estado do Rio.

Sancionada em 25 de agosto pelo governador em exercício, Francisco Dornelles, a lei determina o recolhimento de 10% dos incentivos fiscais em um Fundo Estadual de Equilíbrio Fiscal (FEEF). Para a FIRJAN, a medida é inconstitucional e traz prejuízos para a competitividade fluminense.

Por ser uma entidade de âmbito nacional, apenas a CNI pode levar a questão ao STF. Durante a reunião realizada hoje, presidentes de outras Federações de Indústria sustentaram a importância desse movimento e elogiaram a iniciativa do Sistema FIRJAN em defender a competitividade das empresas no estado do Rio.

A FIRJAN defende que a contribuição de 10% ao Fundo representa um novo tributo estadual, sem respaldo no artigo 155 da Constituição Federal. Além disso, ao atingir incentivos em vigor a Lei também estaria contrariando a Constituição.

O Sistema FIRJAN acredita que, ao atingir os incentivos a serem concedidos e também aqueles que estão em vigor, a nova lei gera um grave clima de insegurança jurídica para as indústrias que investem no estado do Rio. Também desestimula não só os investimentos já previstos, de mais de R$ 42 bilhões, como a vinda de novos empreendimentos.

“Vários fatores compõem o ambiente de negócios, e um deles é a segurança jurídica. Os incentivos fiscais são fruto de convênios firmados entre as empresas e o governo do estado. A FIRJAN, em mais uma ação para defender a indústria, buscou a CNI, que foi muito acertada em sua decisão de aceitar a ADIN, porque é inconstitucional mexer em contratos vigentes”, disse Sergio Duarte, vice-presidente do Conselho Empresarial de Assuntos Tributários da FIRJAN e presidente da e da Vitális/Chinezinho.

A Federação destaca que, entre 2008 e 2014, a política estadual de incentivos fiscais atraiu mais de 200 indústrias para o território fluminense, gerando quase 100 mil novos empregos e mais que dobrando a arrecadação de ICMS, conquistas que ficam em risco com a Lei 7.428.

Duarte ressaltou a importância dos benefícios para promover o desenvolvimento econômico fluminense nos últimos anos: “Quando uma montadora se instala no estado, por exemplo, são milhares de empregos e investimentos gerados. Não tínhamos setor automotivo e hoje o Rio é um dos polos fortes desse segmento no Brasil, graças aos incentivos concedidos”.

Em defesa da indústria fluminense

O Sistema FIRJAN vem se posicionando contra a medida desde que o Projeto de Lei nº 2.008/16 entrou na pauta de votação da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

A lei, publicada no diário oficial em 25 de agosto, produzindo seus efeitos até 31 de julho de 2018, vetou dois artigos do projeto de lei inicial: o artigo 13, que permitia a divulgação dos incentivos fiscais de grandes empresas, o que contraria o sigilo fiscal; e o inciso VI do artigo 14, que permitia a exclusão das empresas de reciclagem da nova lei.



Fonte: Redação/Assessoria
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar