acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Indústria

Importações de transformados plásticos devem crescer 6% este ano

04/10/2013 | 14h28

 

As importações brasileiras de transformados plásticos devem alcançar 754 mil toneladas em 2013, de acordo com projeção da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), calculada a partir dos dados da balança comercial até agosto divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic). A previsão, obtida pelo 'Valor', embute alta de 6% na comparação com o volume importado no ano passado.
Para as exportações, a Abiplast projeta crescimento anual de 2,1%, para 243 mil toneladas. Com isso, o déficit comercial do setor de plásticos neste ano, em volume, deverá alcançar 511 mil toneladas, 6% maior do que o verificado em 2012.
Se esses dados se confirmarem, o coeficiente de importação, que indica quanto do mercado nacional foi atendido por produto importado, chegará a 13% em 2013. Os dados detalhados sobre a balança comercial da indústria de transformados plásticos em agosto serão apresentados no próximo boletim econômico da Abiplast, o Econoplast, que deve ser divulgado em breve.
O mais recente boletim da entidade mostra que, de janeiro a julho, o déficit comercial do setor de plásticos alcançou US$ 1,4 bilhão, com crescimento de 16,5% frente ao registrado no mesmo intervalo de 2012.
Conforme a Abiplast, esse saldo reflete o aumento significativo das compras externas combinado à retração dos embarques da indústria. Nos sete primeiros meses do ano, as importações de transformados plásticos totalizaram US$ 2,2 bilhões, com alta de 9,7%. Ao mesmo tempo, as exportações recuaram 1%, para US$ 784 milhões.
Em entrevista ao 'Valor' no fim de setembro, o presidente da Abiplast, José Ricardo Roriz Coelho, afirmou que a maior preocupação do setor, hoje, é a incapacidade de concorrer com o produto importado e de exportar, "porque é caro produzir no país". Para o ano, a entidade projeta crescimento de 1,5% na produção nacional de transformados plásticos - em 12 meses até julho, a expansão é de 3,34%.
Em volume, o saldo comercial da indústria de janeiro a julho é negativo em 279 mil toneladas, ou 9,7% a mais do que o registrado nos sete primeiros meses de 2012. Nesse intervalo, enquanto as importações somaram 420,8 mil toneladas, com alta de 7,4%, as exportações avançaram 3%, para 141,7 mil toneladas.

As importações brasileiras de transformados plásticos devem alcançar 754 mil toneladas em 2013, de acordo com projeção da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (Abiplast), calculada a partir dos dados da balança comercial até agosto divulgados pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (Mdic). A previsão, obtida pelo 'Valor', embute alta de 6% na comparação com o volume importado no ano passado.


Para as exportações, a Abiplast projeta crescimento anual de 2,1%, para 243 mil toneladas. Com isso, o déficit comercial do setor de plásticos neste ano, em volume, deverá alcançar 511 mil toneladas, 6% maior do que o verificado em 2012.


Se esses dados se confirmarem, o coeficiente de importação, que indica quanto do mercado nacional foi atendido por produto importado, chegará a 13% em 2013. Os dados detalhados sobre a balança comercial da indústria de transformados plásticos em agosto serão apresentados no próximo boletim econômico da Abiplast, o Econoplast, que deve ser divulgado em breve.


O mais recente boletim da entidade mostra que, de janeiro a julho, o déficit comercial do setor de plásticos alcançou US$ 1,4 bilhão, com crescimento de 16,5% frente ao registrado no mesmo intervalo de 2012.
Conforme a Abiplast, esse saldo reflete o aumento significativo das compras externas combinado à retração dos embarques da indústria. Nos sete primeiros meses do ano, as importações de transformados plásticos totalizaram US$ 2,2 bilhões, com alta de 9,7%. Ao mesmo tempo, as exportações recuaram 1%, para US$ 784 milhões.


Em entrevista ao 'Valor' no fim de setembro, o presidente da Abiplast, José Ricardo Roriz Coelho, afirmou que a maior preocupação do setor, hoje, é a incapacidade de concorrer com o produto importado e de exportar, "porque é caro produzir no país". Para o ano, a entidade projeta crescimento de 1,5% na produção nacional de transformados plásticos - em 12 meses até julho, a expansão é de 3,34%.


Em volume, o saldo comercial da indústria de janeiro a julho é negativo em 279 mil toneladas, ou 9,7% a mais do que o registrado nos sete primeiros meses de 2012. Nesse intervalo, enquanto as importações somaram 420,8 mil toneladas, com alta de 7,4%, as exportações avançaram 3%, para 141,7 mil toneladas.

 



Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar