acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Brasil: oportunidade

Importação de 3,8 milhões de toneladas de produtos químicos é novo recorde para meses de janeiro

24/02/2017 | 14h15

As importações brasileiras de produtos químicos totalizaram US$ 2,7 bilhões em janeiro de 2017, o que representa uma elevação de 11,4% na comparação com o mesmo mês no ano passado e uma leve redução de 2,2% em relação ao mês de dezembro de 2016. Em termos de volumes, as compras externas, de 3,8 milhões de toneladas, representam o patamar mais elevado para um mês de janeiro em toda a série histórica observada na balança comercial de produtos químicos. Os produtos químicos para o agronegócio impulsionaram as importações no mês, sobretudo os intermediários para fertilizantes cujas compras externas de 2,5 milhões de toneladas (US$ 558 milhões) registraram um forte aumento, de 158,2%, em relação a janeiro de 2016.

Já as exportações, de US$ 1,1 bilhão, também acusaram aumento de 14,5% em relação a janeiro de 2016, mas pequena queda de 2,9% na comparação com dezembro passado. Os volumes exportados, de 1,5 milhão de toneladas, foram 6,4% e 11,0% superiores nas comparações com iguais períodos. As resinas termoplásticas foram os produtos químicos mais exportados pelo País no mês, representando 17,8% (US$ 192,5 milhões) das vendas externas brasileiras de produtos químicos.

O resultado da balança comercial de produtos químicos indicou um déficit de US$ 1,6 bilhão em janeiro e de US$ 22,1 bilhões nos últimos doze meses (fevereiro de 2016 a janeiro de 2017).

Para a diretora de Assuntos de Comércio Exterior da Abiquim, Denise Naranjo, 2017 será de intensificação das trocas comerciais brasileiras em produtos químicos, em linha com as perspectivas de retomada do crescimento econômico nacional, mas ainda é cedo para se ter clareza da dimensão do déficit setorial no ano. “Os volumes de importações, sobretudo de produtos para o agronegócio, estão entre os patamares mais elevados de toda a série histórica. Ainda parece precoce, contudo, quantificar o déficit setorial em 2017, pois seu tamanho será muito influenciado pela velocidade da recuperação da atividade econômica, pelo comportamento dos preços internacionais e pelo câmbio, fatores estes que ainda estão se moldando para o transcurso do ano”, destaca Denise.

Já o presidente-executivo da Abiquim, Fernando Figueiredo, entende que o País perde um momento favorável para atrair novos investimentos produtivos que possam reverter o déficit setorial. “É lamentável que o Brasil esteja desperdiçando excelentes oportunidades de investimentos para passar a suprir com fabricação nacional a crescente demanda por produtos químicos, particularmente daqueles para o agronegócio. Isso só aumenta a dependência externa brasileira por insumos estratégicos para o campo, alavancando a geração de empregos de excelente qualidade e renda em países estrangeiros e comprometendo o desempenho futuro desse setor”, avalia Figueiredo.



Fonte: Redação/Assessoria
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar