acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Internacional

IFS apoia complexo nuclear da Argentina

26/02/2013 | 17h17

 

IFS apoia Complexo Nuclear da Argentina no gerenciamento de ativos de toda a energia nuclear produzida no País
 
Após a implementação bem sucedida do ERP IFS Applications em uma de suas usinas nucleares, a NA-SA (Nucleoelétrica Argentina SA), administradora de usinas de energia nuclear na Argentina, decidiu ampliar seus investimentos adotando a solução de EAM (Enterprise Asset Management) da IFS, empresa global de aplicações corporativas, para gerenciar os ativos em suas bases de produção.
A usina Atucha II, que tem o início de sua produção previsto para março deste ano, já está com o EAM em operação. As demais, Atucha I, primeira estação de energia nuclear da Argentina, em funcionamento desde 1974, e Embalse Rio Tercero, que opera desde 1984, estão em fase final de implementação.  Depois de finalizados esses processos, toda a energia nuclear produzida na Argentina estará operando com o IFS Applications, ferramenta de gerenciamento de ativos da desenvolvedora.
A solução controla a manutenção, a gestão de dados e os requisitos de gerenciamento de integridade dos ativos associados ao setor de energia nuclear. Além disso, também suporta as frequentes inspeções realizadas pela Comissão Nacional de Energia Atômica (CNEA) às usinas do complexo. 
“É uma grande responsabilidade apoiar a NA-SA em processos tão delicados e críticos quanto os que envolvem o gerenciamento de usinas nucleares. Por isso, oferecemos a nossa atuação global e experiência no setor de geração de energia para somar à competência da distribuidora na administração desse complexo”, comenta Walmir Cardoso, diretor comercial da IFS. 
Atucha I e II são estações de reação de água pesada e pressurizada e, quando a segunda estiver em funcionamento, ambas gerarão, aproximadamente, 1.050 MWe (megawatt elétrico) de eletricidade. Já a Embalse Rio Tercero é uma usina do tipo CANDU (Canadian Uranium Deuterium), voltada para a refrigeração e moderação de nêutrons, gerando 648 MWe de eletricidade. 

Após a implementação bem sucedida do ERP IFS Applications em uma de suas usinas nucleares, a NA-SA (Nucleoelétrica Argentina SA), administradora de usinas de energia nuclear na Argentina, decidiu ampliar seus investimentos adotando a solução de EAM (Enterprise Asset Management) da IFS, empresa global de aplicações corporativas, para gerenciar os ativos em suas bases de produção.


A usina Atucha II, que tem o início de sua produção previsto para março deste ano, já está com o EAM em operação. As demais, Atucha I, primeira estação de energia nuclear da Argentina, em funcionamento desde 1974, e Embalse Rio Tercero, que opera desde 1984, estão em fase final de implementação.  Depois de finalizados esses processos, toda a energia nuclear produzida na Argentina estará operando com o IFS Applications, ferramenta de gerenciamento de ativos da desenvolvedora.


A solução controla a manutenção, a gestão de dados e os requisitos de gerenciamento de integridade dos ativos associados ao setor de energia nuclear. Além disso, também suporta as frequentes inspeções realizadas pela Comissão Nacional de Energia Atômica (CNEA) às usinas do complexo. 


“É uma grande responsabilidade apoiar a NA-SA em processos tão delicados e críticos quanto os que envolvem o gerenciamento de usinas nucleares. Por isso, oferecemos a nossa atuação global e experiência no setor de geração de energia para somar à competência da distribuidora na administração desse complexo”, comenta Walmir Cardoso, diretor comercial da IFS. 


Atucha I e II são estações de reação de água pesada e pressurizada e, quando a segunda estiver em funcionamento, ambas gerarão, aproximadamente, 1.050 MWe (megawatt elétrico) de eletricidade. Já a Embalse Rio Tercero é uma usina do tipo CANDU (Canadian Uranium Deuterium), voltada para a refrigeração e moderação de nêutrons, gerando 648 MWe de eletricidade. 

 



Fonte: Redação TN
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar