acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Economia

IBGE: emprego industrial tem elevação de 0,2%

12/09/2012 | 10h50

 

Em julho de 2012, o emprego na indústria mostrou variação positiva de 0,2% frente ao mês imediatamente anterior, na série livre de influências sazonais, interrompendo quatro meses de resultados negativos consecutivos nesse tipo de comparação, período em que acumulou perda de 1,2%. As informações foram publicadas nesta quarta-feira (12) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).
Em relação a julho de 2011, o emprego industrial caiu 1,6% - 10º resultado negativo seguido nesse tipo de comparação. No ano, o índice acumula recuo de 1,3% sobre o mesmo período do ano anterior e, em 12 meses, de 0,7%.
Nos 12 dos 14 locais pesquisados pelo IBGE houve redução de empregos na indústria, com principal impacto negativo partindo de São Paulo, cuja taxa recuou 3,1%. O resultado sofreu influência das indústrias de produtos de metal (-12,4%), máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (-10,6%), metalurgia básica (-17,3%), meios de transporte (-4,6%), vestuário (-9,1%), têxtil (-7,0%) e calçados e couro (-12,4%).
Também foi registrada queda nos empregos da região Nordeste (-2,0%), do Rio Grande do Sul (-2,3%), da região Norte e Centro-Oeste (-1,2%), de Santa Catarina (-1,2%) e de Pernambuco (-2,8%). Na contramão, empregaram mais de junho para julho Paraná (1,5%) e Minas Gerais (1,0%).
Na análise por setores, o emprego caiu em 14 dos 18 ramos da indústria pesquisados pelo IBGE, com destaque para vestuário (-8,7%), calçados e couro (-6,0%), têxtil (-5,4%), papel e gráfica (-3,9%), meios de transporte (-2,4%), madeira (-8,3%). Entre os resultados positivos, o principal destaque ficou com o setor de alimentos e bebidas (3,8%).

Em julho de 2012, o emprego na indústria mostrou variação positiva de 0,2% frente ao mês imediatamente anterior, na série livre de influências sazonais, interrompendo quatro meses de resultados negativos consecutivos nesse tipo de comparação, período em que acumulou perda de 1,2%. As informações foram publicadas nesta quarta-feira (12) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).


Em relação a julho de 2011, o emprego industrial caiu 1,6% - 10º resultado negativo seguido nesse tipo de comparação. No ano, o índice acumula recuo de 1,3% sobre o mesmo período do ano anterior e, em 12 meses, de 0,7%.


Nos 12 dos 14 locais pesquisados pelo IBGE houve redução de empregos na indústria, com principal impacto negativo partindo de São Paulo, cuja taxa recuou 3,1%. O resultado sofreu influência das indústrias de produtos de metal (-12,4%), máquinas e aparelhos eletroeletrônicos e de comunicações (-10,6%), metalurgia básica (-17,3%), meios de transporte (-4,6%), vestuário (-9,1%), têxtil (-7,0%) e calçados e couro (-12,4%).Também foi registrada queda nos empregos da região Nordeste (-2,0%), do Rio Grande do Sul (-2,3%), da região Norte e Centro-Oeste (-1,2%), de Santa Catarina (-1,2%) e de Pernambuco (-2,8%). Na contramão, empregaram mais de junho para julho Paraná (1,5%) e Minas Gerais (1,0%).


Na análise por setores, o emprego caiu em 14 dos 18 ramos da indústria pesquisados pelo IBGE, com destaque para vestuário (-8,7%), calçados e couro (-6,0%), têxtil (-5,4%), papel e gráfica (-3,9%), meios de transporte (-2,4%), madeira (-8,3%). Entre os resultados positivos, o principal destaque ficou com o setor de alimentos e bebidas (3,8%).

 



Fonte: Redação / Agência
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar