acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Petrobras

Ibama, ANP e Marinha começam investigação para apurar as causas do acidente na Bacia de Santos

01/02/2012 | 09h45
Técnicos do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) farão hoje (1º) um sobrevoo na região da Bacia de Santos para verificar a dimensão do vazamento de petróleo cru na área. De acordo com o órgão ambiental, desde ontem (31) especialistas foram enviados para acompanhar as operações de urgência feitas pela Petrobras em Macaé (RJ). Uma equipe da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP) também foi designada e começará hoje a investigação para apurar as causas do acidente.

No local, estava sendo realizado um Teste de Longa Duração (TLD) no pré-sal da Bacia de Santos, na região Carioca Nordeste, operado por um FPSO (sigla em inglês para Unidade Flutuante de Produção, Armazenagem e Transferência), a uma profundidade de 2.140 metros. Segundo a Petrobras, o poço foi fechado automaticamente após o rompimento.

Dados preliminares indicam que houve uma ruptura do equipamento chamado riser, que conecta a plataforma ao poço no fundo do mar, liberando 33 metros cúbicos de petróleo cru. Essa é a primeira análise feita pelos peritos.

A Petrobras acionou seu plano de emergência para conter o vazamento, por meio de duas embarcações de atendimento. De acordo com o Ibama, as atividades no local estão suspensas e a empresa só poderá retomar o trabalho depois de autorização do instituto. A estimativa inicial é que tenha vazado 160 barris. A empresa acredita que o óleo derramado não alcançará a costa.

A Marinha informou que a Capitania dos Portos do Rio de Janeiro instaurou inquérito administrativo para apurar o vazamento de óleo na região da Bacia de Santos. A conclusão deve ser divulgada em até 90 dias.

A a fragata Niterói foi enviada ao local, com um helicóptero a bordo, para verificar as ações executadas na área. Um grupo de acompanhamento monitora as operações na região e avalia as ações da Petrobras.


Fonte: Redação/ Agência
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar