acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Energia

Greve parcial na Cemig não afeta serviços

16/04/2013 | 12h02

 

A Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) informou nesta terça-feira (16) que a paralisação parcial realizada pelos empregados hoje não afeta as atividades da empresa. De acordo com a companhia, todos os serviços, como central de atendimento, de emergência e ligação ou religação de energia estão sendo prestados normalmente. O movimento também não afetou o funcionamento das usinas hidrelétricas, segundo a Cemig.
A empresa afirma que apresentou proposta aos empregados, consideradas as perspectivas de futuro para a empresa definidas a partir da MP 579 (atual Lei 12.783) e do terceiro ciclo de revisão tarifária, que reduziu o percentual de remuneração das distribuidoras de energia do país sobre os serviços prestados.
“Uma vez que não houve entendimento, a Cemig solicitou a mediação da Justiça do Trabalho, através de Dissídio Coletivo, antecipando o reajuste de 4,5% no salário”, afirmou a companhia elétrica em comunicado. Segundo a nota, a proposta apresentada mantém todos os benefícios atualmente existentes e propõe uma recomposição dos salários diante de perdas inflacionárias.

A Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) informou nesta terça-feira (16) que a paralisação parcial realizada pelos empregados hoje não afeta as atividades da empresa. De acordo com a companhia, todos os serviços, como central de atendimento, de emergência e ligação ou religação de energia estão sendo prestados normalmente. O movimento também não afetou o funcionamento das usinas hidrelétricas, segundo a Cemig.


A empresa afirma que apresentou proposta aos empregados, consideradas as perspectivas de futuro para a empresa definidas a partir da MP 579 (atual Lei 12.783) e do terceiro ciclo de revisão tarifária, que reduziu o percentual de remuneração das distribuidoras de energia do país sobre os serviços prestados.


“Uma vez que não houve entendimento, a Cemig solicitou a mediação da Justiça do Trabalho, através de Dissídio Coletivo, antecipando o reajuste de 4,5% no salário”, afirmou a companhia elétrica em comunicado. Segundo a nota, a proposta apresentada mantém todos os benefícios atualmente existentes e propõe uma recomposição dos salários diante de perdas inflacionárias.

 



Fonte: Valor Online
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar