acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Suprimento

Governo quer que a Petrobras faça as térmicas da Bertin

31/03/2011 | 10h56
O governo federal estuda usar a Petrobras para construir as térmicas da Bertin e com isso garantir o suprimento de mais de 3.000 MW de energia em 2013. As tentativas, até agora frustradas, de que empresas privadas comprem as concessões de pelo menos parte das usinas do grupo e o atraso das obras preocupam o governo. A empresa já atrasou oito usinas e precisa construir 15 outras em menos de dois anos. Sem essas térmicas e com o retardamento no cronograma dos linhões do Madeira, o equilíbrio entre oferta e demanda pode ser afetado, se medidas não forem tomadas com urgência.


O Valor apurou que pelo menos cinco companhias privadas estudaram a compra das térmicas: CPFL Energia, MPX Energia, Alcoa, Equatorial e a alemã EoN. As negociações não avançaram porque as empresas vislumbram uma série de dificuldades, entre elas a colocação da energia no sistema. A localização das usinas vendidas em leilão foi alterada pela Bertin, em busca de ganhos logísticos, mas isso significa alterar as linhas de transmissão.

No governo Fernando Henrique, a Petrobras já foi usada para garantir fornecimento de energia elétrica ao ser obrigada a fornecer gás dentro do Programa Prioritário de Termelétricas (PPT), o que deu prejuízos à estatal. Em 2007, a Petrobras também foi acionada quando a Argentina cortou suprimento ao país.

A estatal informou por meio de sua assessoria que desconhece negociação para a compra de usinas da Bertin. A Petrobras é sócia minoritária do grupo em três termelétricas a óleo. Duas estão funcionando desde 2009 e outra deve entrar em operação em 2012.


A Petrobras e a Eletronorte são hoje as maiores credoras na Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE). Portanto, elas assumirão parte do ônus da inadimplência dessas térmicas no mercado de liquidação se a Bertin não depositar os R$ 200 milhões efetivamente liquidados financeiramente e não pagos.


A Bertin já investiu R$ 600 milhões nas térmicas e não aceita a ideia de transferir o direito de construí-las. Nesta semana, a Aneel tirou da empresa a esperança de ter o prazo prorrogado para entrada em operação das usinas que deveriam estar prontas desde janeiro. A decisão foi interpretada como um aviso do governo de que pretende resolver a questão rapidamente.


Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar