acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Economia

Governo propõe exclusão da Eletrobras do cálculo do superávit primário

19/11/2010 | 12h10
O Ministério do Planejamento irá encaminhar ao Congresso Nacional projeto de lei que propõe a exclusão da Eletrobras do cálculo do superávit primário. O projeto tem o objetivo de alterar a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2010.


Assim, a meta de superávit primário do setor público consolidado para 2010 passará de 3,3% para 3,1% do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país. A exclusão da Eletrobras segue a lógica adotada com o grupo Petrobras, que já saiu do cálculo do superávit primário.


De acordo com o relatório, a meta para os orçamentos fiscal e da seguridade social fica em 2,15% e 0% do PIB para o Programa de Dispêndios Globais das empresas estatais federais.


“O governo está conferindo tratamento específico a este grupo [Eletrobras], excluindo-o do cálculo do resultado fiscal do setor público, o que implica na retirada dos estoques de ativos e de passivos da empresa do cálculo da Dívida Líquida do Setor Público”, afirma relatório de avaliação fiscal do quinto bimestre divulgado hoje (19), pelo ministério.


Segundo o relatório, “tendo em vista a posição credora líquida do grupo Eletrobras, o impacto da exclusão no nível da dívida líquida do setor público é de cerca de 0,05 ponto percentual”.


O relatório diz ainda que “mesmo como o menor resultado primário para o Governo Federal, a dívida terá trajetória decrescente”, ao passar de 43,3% do Produto Interno Bruto (PIB), soma de todos os bens e serviços produzidos no país, em 2009, para cerca de 40,8%, em 2010.


O ministério argumenta que a exclusão da Eletrobras “encontra-se em linha com a metodologia e as práticas internacionais da maioria dos países que reconhecem a situação específica de empresas que não são totalmente públicas”.


O ministério destaca ainda que “a manutenção das restrições fiscais ao grupo Eletrobras provoca distorções nas decisões gerenciais da empresa, em particular quanto à limitação das possibilidades de conduzir investimentos em projetos economicamente viáveis, comprometendo, assim, sua capacidade competitiva no setor em que atua”.


Fonte: Agência Brasil
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar