acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Gás Natural

Governo já admite que proibição de exportações de gás afasta investimentos

08/06/2004 | 00h00
Embora mantenha a decisão tomada já há alguns meses de não autorizar a exportação de gás natural, pelo menos até que todo o mercado interno esteja abastecido, o Ministério de Minas e Energia já começa a acreditar que isso possa afastar investimentos privados neste segmento. A secretária de Petróleo e Gás Natural do Ministério, Maria das Graças Foster, admite tal fato, mas diz que o governo não pretende recuar nessa questão.
Com relação aos preços do petróleo, a secretária afirmou que o governo não pretende aumentar o valor da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide) para minimizar os prejuízos da refinaria do grupo Ipiranga com a alta das cotações internacionais do barril de petróleo. A sugestão foi apresentada por executivos do grupo, que criticaram o fato de a Petrobras manter os preços inalterados mesmo com a alta das cotações internacionais. Segundo esses executivos, se a Petrobras não reajustar os preços, a refinaria pode ir à falência.
Maria das Graças afastou a hipótese de o governo mudar a Cide no curto prazo. Segundo ela, seria preciso, antes, esperar uma redução dos preços internacionais do petróleo, que permitisse a elevação do piso da contribuição. Dessa forma, justificou, o governo poderia arrecadar os recursos que garantiriam, no futuro, a utilização da Cide para amortecer as variações dos preços internacionais do petróleo. Ela não descartou a hipótese, no entanto, de recorrer a esse expediente quando os preços internacionais recuarem, embora não tenha precisado quando isso poderá ocorrer.
"A decisão da Opep trouxe certa calma ao mercado, mas o preço ainda não é real. Temos que trabalhar nossa cesta de combustíveis para suportar os impactos externos. A Petrobras tem uma saúde econômica que permite a manutenção dos preços. Outras empresas têm mais dificuldades. Estamos acompanhando o mercado", afirmou a secretária, que participou nesta terça-feira (08/06) do primeiro dia do seminário Gerenciamento de Riscos e Aproveitamento de Oportunidades para Companhias Locais no Setor de Petróleo e Gás, promovido pela Unctad com a ANP e o Ministério de Minas e Energia.

Fonte:
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar