acesso a redes sociais
  • tumblr.
  • twitter
  • Youtube
  • Linkedin
  • flickr
conecte-se a TN
  • ver todas
  • versão online
  • Rss
central de anunciante
  • anunciar no site
  • anunciar na revista
Energia

Governo estuda novos modelos para contratar térmicas

23/01/2013 | 10h30

 

Novos integrante do governo já começam a admitir que há estudo sendo conduzido internamente sobre novos modelos de contratação de usinas termelétricas. Na terça-feira (22), o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Nelson Hubner, disse que entre as alternativas que são analisadas estão a adoção de leilões regionais e a contratação de térmicas pelo critério de quantidade, não apenas por disponibilidade.
No caso do leilão regional, o governo analisa a necessidade específica de cada região, antes de decidir lança a licitação. Hubner considera que esta medida pode trazer vantagens relacionadas à redução do custo de instalação e operação de longas linhas de transmissão.
Atualmente, a Aneel os projetos entram no leilão independente de sua localização, vencendo o empreendedor que ofertar a menor tarifa. Com isso, uma usina pode ter o despacho autorizado na região Nordeste para entregar a energia no Sudeste.
Os leilões regionais são uma reivindicação antiga do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), que defende a proximidades destas usinas dos principais centros de carga. "ONS sempre pede, porque eles têm a visão da operação", disse Hubner.
Já a contratação das térmicas pelo critério de quantidades vem no sentido de colocar estas usinas para operar em plena capacidade ao longo do ano, com pausas apenas para manutenção. Segundo o diretor-geral da Aneel, esta não seria medida que ser tomada já nos próximos leilões.
Atualmente, somente a hidrelétricas são contratadas pelo critério de quantidade de energia. Por disponibilidade, são contratadas as usinas eólicas e termelétricas. Isso ocorre com os parques eólicos pelo fato de a produção depender da força dos ventos e com as térmicas, até agora, porque ser acionadas em complementação à geração das hidrelétricas. Os planos do governo foi antecipada pelo 'Valor' no início do mês em entrevista com o secretário de Planejamento Energético do Minas e Energia, Altino Ventura.
Boa parte das mudanças analisadas considera a necessidade cada vez maior de acionamento permanentemente das usinas termelétricas no Brasil para garantir a segurança no abastecimento de energia. Esta medida, segundo Hubner, é necessária devido à indisponibilidade de novos projetos de hidrelétricas com grandes reservatórios, o que permite administrar uma reserva de água para produção de energia de baixo custo nos períodos de estiagem no país.
"Com essa realidade que a gente tem hoje há a tendência que no futuro sempre você vai ter a operação de um conjunto de térmicas", disse Hubner. O diretor admite que o custo elevado da geração térmicas deverá ser repassado aos consumidores.
"Mesmo tendo uma hidrologia de acordo com a média histórica, é natural esperar que se tenha um conjunto de operação de térmicas para manter os reservatórios de acordo com o nosso procedimento de operação para chegar no período seco do final do ano em condições de atender o ano seguinte sem maior sobressaltos", afirmou.

Novos integrante do governo já começam a admitir que há estudo sendo conduzido internamente sobre novos modelos de contratação de usinas termelétricas. Na terça-feira (22), o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Nelson Hubner, disse que entre as alternativas que são analisadas estão a adoção de leilões regionais e a contratação de térmicas pelo critério de quantidade, não apenas por disponibilidade.

No caso do leilão regional, o governo analisa a necessidade específica de cada região, antes de decidir lança a licitação. Hubner considera que esta medida pode trazer vantagens relacionadas à redução do custo de instalação e operação de longas linhas de transmissão.


Atualmente, a Aneel os projetos entram no leilão independente de sua localização, vencendo o empreendedor que ofertar a menor tarifa. Com isso, uma usina pode ter o despacho autorizado na região Nordeste para entregar a energia no Sudeste.


Os leilões regionais são uma reivindicação antiga do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), que defende a proximidades destas usinas dos principais centros de carga. "ONS sempre pede, porque eles têm a visão da operação", disse Hubner.


Já a contratação das térmicas pelo critério de quantidades vem no sentido de colocar estas usinas para operar em plena capacidade ao longo do ano, com pausas apenas para manutenção. Segundo o diretor-geral da Aneel, esta não seria medida que ser tomada já nos próximos leilões.


Atualmente, somente a hidrelétricas são contratadas pelo critério de quantidade de energia. Por disponibilidade, são contratadas as usinas eólicas e termelétricas. Isso ocorre com os parques eólicos pelo fato de a produção depender da força dos ventos e com as térmicas, até agora, porque ser acionadas em complementação à geração das hidrelétricas. Os planos do governo foi antecipada pelo 'Valor' no início do mês em entrevista com o secretário de Planejamento Energético do Minas e Energia, Altino Ventura.


Boa parte das mudanças analisadas considera a necessidade cada vez maior de acionamento permanentemente das usinas termelétricas no Brasil para garantir a segurança no abastecimento de energia. Esta medida, segundo Hubner, é necessária devido à indisponibilidade de novos projetos de hidrelétricas com grandes reservatórios, o que permite administrar uma reserva de água para produção de energia de baixo custo nos períodos de estiagem no país.


"Com essa realidade que a gente tem hoje há a tendência que no futuro sempre você vai ter a operação de um conjunto de térmicas", disse Hubner. O diretor admite que o custo elevado da geração térmicas deverá ser repassado aos consumidores.


"Mesmo tendo uma hidrologia de acordo com a média histórica, é natural esperar que se tenha um conjunto de operação de térmicas para manter os reservatórios de acordo com o nosso procedimento de operação para chegar no período seco do final do ano em condições de atender o ano seguinte sem maior sobressaltos", afirmou.



Fonte: Valor Econômico
Seu Nome:

Seu Email:

Nome do amigo:

Email do amigo:

Comentário:


Enviar